DP - A diferença entre "ser" e "estar" em A.A.


Um desses truques ou promessas de A.A. é o Legado do Serviço.
Por um bom tempo, alguns anos de 24 horas, eu pura e simplesmente, estava em A.A., ou seja, fazia número e esquentava a cadeira. Este processo de simplesmente vir, ouvir e estar complacente durou certa época.

Nesta mesma ocasião, passava uma publicidade na televisão que dizia que não basta ser pai, tem que participar!

Depois de certo tempo, minha conduta começou a mudar do "estar" para o "ser" em A.A.

Como? Por quê? Quando?

Quando comecei a notar que minha cambaleante recuperação estava por um fio; comecei a notar que voltar para aquela vidinha de bêbado, poderia acontecer a qualquer hora e o pior, da maneira que eu estava, comportava-me como um bêbado seco, tendo reações iguais ou piores das que tinha na época em que eu bebia.
Mudei, e foi bom para mim, não sei se pode ou vai ser bom para os outros, o importante é o que funciona e funcionou para mim. Esta mudança, em grande parte foi pelo fato de eu estar sendo um pouco grato a esta Irmandade que salvou minha vida.

Mudei! Entrei para o Legado do Serviço onde pude aprender e venho aprendendo, como ser uma pessoa melhor, íntegra, e que ainda posso ser útil aos outros.
Não existem fórmulas mágicas ou varinha de condão, mas existem sim, alguns truques, nos quais eu não acreditava de forma nenhuma, mas que funcionam. Um desse truques, ou promessas de A.A. é este: - o Legado do Serviço.

Em A.A. não existem estágios ou fazer certo ou errado; as Tradições são fruto de ensaio e erros e por isso, as pessoas não devem ter medo ou receio de encarar um serviço na Irmandade. E se por tentarem, falharem em algo, o que é normal também mostre a seu interlocutor para ler a Reflexão Diária que diz: “a maneira como nossos valorosos alcoólicos algumas vezes tentam julgar os menos valorosos é bastante cômica. Imagine um alcoólico julgando outro!”

Revista Vivência - Matéria do Mês - Edição 119