Artigos - A linguagem do coração

A Liberdade Sob Deus: A Escolha É Nossa Novembro de 1960

Em seu sentido mais profundo, A.A. é uma busca da liberdade — a liberdade sob Deus. Naturalmente, o objetivo imediato de nossa busca é a sobriedade — ser livres do álcool e de todas as suas conseqüências funestas. Sem esta libertação, não temos nada.

Paradoxalmente, não podemos nos libertar da obsessão do álcool até que não estejamos dispostos a enfrentar estes defeitos de caráter que nos levam a esta desesperada situação. Para obter sequer a sobriedade, temos que conseguir nos libertar, ao menos em parte, do temor, da ira e da soberba; da rebeldia e da hipocrisia; da preguiça e da irresponsabilidade, das justificações insensatas e da descarada falta de honestidade; da dependência malsã e da destruidora e agressiva ânsia de poder.

Nesta busca de liberdade, sempre nos foi dada três alternativas. Uma rebelde negativa a tentar remediar nossos mais evidentes defeitos pode significar nossa perdição. Ou podemos nos manter sóbrios por algum tempo com um mínimo de melhora de nosso caráter e nos contentar com uma cômoda, porém, às vezes perigosa mediocridade. Ou podemos nos esforçar continuamente para conseguir essas excelentes qualidades que podem conduzir à verdadeira grandeza de espírito e ação — à uma autêntica e duradoura liberdade sob Deus, à liberdade de buscar e fazer a Sua vontade.

A maioria de nós realmente tem esta última alternativa; não devemos nunca nos deixar cegar pela vã filosofia de que não somos senão desventuradas vítimas de nossa heresia, de nossa experiência e de nossas circunstâncias — que são estas as únicas forças que decidem por nós. Este não é o caminho para a liberdade. Temos que acreditar que realmente podemos escolher. De forma parecida, nossa Irmandade inteira, eu e todo Grupo de A.A., sempre nos defrontaremos com estas mesmas alternativas. Devemos nos contentar com a ruína? Devemos tentar conseguir somente o consolo passageiro de uma cômoda mediocridade? Ou devemos sempre aceitar a disciplina, fazer os sacrifícios e suportar as inconveniências que nos farão dignos de andar o caminho que conduz invariavelmente para a verdadeira grandeza de espírito e ação? Essas reflexões servem como introdução para o tema deste artigo, as Doze Tradições de Alcoólicos Anônimos.

As Tradições de A.A. são o parâmetro pelo qual nossa Irmandade pode medir com exatidão o seu progresso — ou a falta dele. Em nossas Tradições vemos refletida a sabedoria que conseguimos acumular durante um quarto de século, vivendo e trabalhando juntos. Não cabe a menor dúvida de que esses princípios marcam o caminho que devemos seguir.