Artigos - A origem da reserva prudente (Box 4-5-9, edição de Natal / 2008)

A origem da reserva prudente

Não se costuma aplicar a palavra “prudente” aos alcoólicos na ativa. Porém, para um grupo de alcoólicos sóbrios reunido, a palavra ganha um novo significado. Conscientes das muitas dificuldades que se podem apresentar na vida, os membros de A.A. costumam ser a própria definição da prudência na hora de organizar, apoiar e manter um Grupo de A.A.

Ao perceber a importância do Grupo para a manutenção da sobriedade dos membros individuais, a maioria dos AAs se dispõe a deixar de lado as diferenças pessoais e se focar na sobrevivência do Grupo a longo prazo. Já desapareceram a temeridade autodestrutiva e a irresponsabilidade que costumam caracterizar o alcoolismo ativo e em seu lugar surgem o desejo de estabilidade e a boa disposição para colaborar com bem comum.

No que se refere ao bem comum e à sobrevivência do Grupo a longo prazo, entre as coisas mais prudentes que o Grupo pode fazer está a de estabelecer uma reserva econômica – a providencial poupança para épocas de vacas magras, para ajudar o Grupo a atravessar e superar tempos difíceis. Assim, se as contribuições declinam ou se apresentam gastos inesperados, o Grupo estará fortalecido e sempre na possibilidade de manter suas portas abertas.

Cada Grupo tem gastos fixos que deve cobrir regularmente para se manter na superfície – o aluguel, água, luz, impostos, literatura, produtos de higiene, limpeza e copa e as contribuições aos órgãos de serviço. Estes gastos são pagos com as contribuições regulares dos membros do Grupo. Porém, a maioria dos Grupos trata de guardar algum dinheiro para se proteger contra eventualidades, com a intenção de acumular uma reserva prudente equivalente aos gastos operacionais de um até três meses, em média. Estes fundos contribuem para assegurar a sobrevivência do Grupo e a realização do seu objetivo primordial que é o de levar a mensagem ao alcoólico que ainda sofre.

A contribuição com dinheiro nunca foi um requisito para se tornar membro de A.A.; entretanto, sempre foi um ingrediente essencial no trabalho do Décimo Segundo Passo. Como é dito no folheto “A auto-suficiência – onde se misturam o dinheiro e a espiritualidade” : “O trabalho do Décimo Segundo Passo é o sangue vivificador de Alcoólicos Anônimos através do qual é transmitida a mensagem ao alcoólico que ainda sofre. Se não o tivermos, a Irmandade murcharia e morreria. E este contato vital entre um alcoólico e outro, inclusive nos seus aspectos mais simples, supõe um investimento de tempo e dinheiro”.

Isto se verifica em todos os níveis da estrutura de serviço de A.A.: Distritos, Áreas, Escritórios de Serviços Locais (ESL´s), e até no Escritório de Serviços Gerais de A.A. (ESG), não poderão funcionar sem dinheiro e dele precisam para poder cumprir suas responsabilidades com a Irmandade.

Conforme Gary Glynn, Custódio não alcoólico, emérito e antigo presidente e tesoureiro da Junta de Serviços Gerais, “Um fundo de reserva prudente e estável e uma boa capacidade para sua administração são tão espirituais quanto práticos”. Como Irmandade não almejamos acumular grandes quantias de dinheiro nem ter tão pouco que fiquemos impossibilitados de cumprir com nossas responsabilidades e pagar nossas contas. Não é nem espiritual nem prático acumular ou gastar mais do que o necessário, assim como também não o é ficar sem dinheiro. Bill W. chamava isso de bom senso econômico.

Do mesmo modo que muitos Grupos dos EUA e Canadá e ao redor do mundo, a Junta de Serviços Gerais de A.A. tem uma reserva prudente estabelecida para proporcionar à Irmandade, numa situação de emergência, os recursos econômicos necessários. O Fundo de Reserva da Junta de Serviços Gerais de A.A. foi criado em 1954 para garantir que os serviços básicos do Escritório de Serviços Gerais e da Revista Grapevine continuassem a ser prestados mesmo no caso de haver uma redução imprevista e substancial dos ingressos regulares da organização, seja esta redução motivada por grave recessão econômica, uma perturbação interna na Irmandade, uma mudança na forma de publicar e distribuir a literatura de A.A., ou por outra razão qualquer.

O assunto do dinheiro sempre foi um tema de interesse para a Irmandade. Nos primeiros dias de Alcoólicos Anônimos, já existiam alguns que sonhavam com acumular grandes quantias de dinheiro e ansiavam por consegui-lo de qualquer maneira para que o milagre de Alcoólicos Anônimos pudesse ser difundido o mais rápido possível. Estes pioneiros demoraram um pouco para perceber sabiamente que se a Irmandade não fosse totalmente auto-suficiente corria o perigo de se perder para sempre. Na medida em que A.A. crescia e se desenvolvia, podia-se notar com clareza que uma das maneiras mais seguras para manter a existência da Irmandade era a de assegurar que continuarias a ser auto-sustentável negando-se a receber contribuições de fora, mesmo devido a necessidade urgente ou através de doações de simpatizantes.

No livro Doze Passos e Doze Tradições, no capítulo referente à Sétima Tradição, consta o relato de um debate ocorrido durante uma reunião da Fundação do Alcoólico, precursora da Junta de Serviços Gerais, em 1948, sobre a questão de um legado de dez mil dólares deixado em testamento por uma senhora que havia morrido. “Na ocasião, a Fundação estava em reais dificuldades financeiras; os Grupos não estavam contribuindo com o suficiente para o sustento do Escritório; todos os nossos rendimentos provenientes da venda do Livro Azul, vinham sendo utilizados e as reservas derretiam-se a olhos vistos. Precisávamos daqueles dez mil dólares.

Depois se manifestou a oposição. Argumentaram que a Fundação tinha conhecimento de um total de meio milhão de dólares que pessoas ainda vivas já haviam reservado para doar a Alcoólicos Anônimos. E só Deus sabia quanto mais haveria e que não era do nosso conhecimento. Se as doações externas não fossem recusadas, inteiramente cortadas, a Fundação tornar-se-ia rica um dia.

Então, nossos Custódios escreveram uma página brilhante da história de A.A. Declararam que, por princípio A.A. tinha que permanecer pobre. Tão apenas as despesas correntes mais uma reserva prudente resumiriam dali em diante a política financeira da Fundação. Embora não fosse fácil, declinaram os dez mil dólares e adotaram a decisão formal de que no futuro todas as doações desse tipo não deveriam ser aceitas. Acreditamos que naquele instante o princípio da pobreza coletiva enraizou-se de forma definitiva na tradição de A.A.”

Gary Glynn diz que pobreza coletiva reflete mais “um estado de ânimo do que propriamente o saldo da nossa conta bancária. Todos nós conhecemos indivíduos e organizações que gastam dinheiro que não têm, que vivem acima de suas possibilidades, seja por fazer caso omisso de suas circunstâncias econômicas reais ou por dar como assegurado um amanhã rosado. Por isso pode-se ser pobre sem colocar em prática a pobreza corporativa... O contrário também é possível, podemos ter uma reserva prudente sem cair na tentação de gastar desnecessariamente simplesmente porque temos recursos”.

Atualmente, o Fundo de Reserva da Junta de Serviços Gerais (*) tem imposto por recomendação da Conferência de Serviços Gerais um limite equivalente aos gastos operacionais de um ano da combinação de A.A. World Services, Inc. (Serviços Mundiais de A.A.), a Grapevine de A.A. (a similar da Vivência), e o Fundo Geral da Junta de Serviços Gerais de A.A., Inc. O Escritório de Serviços Gerais e o Comitê de Finanças da Junta de Custódios monitoram constantemente o saldo do Fundo de Reserva com o intuito de assegurar a administração ordenada dos recursos econômicos da Irmandade, sempre tendo em mente que o objetivo primordial é o de levar a mensagem ao alcoólico que ainda sofre.

Com autorização outorgada pela Junta de Custódios, pode-se utilizar o Fundo de Reserva para cobrir outros gastos; por exemplo, foi utilizado para sufragar os gastos relacionados com a mudança, e reforma do Escritório de Serviços Gerais e da Grapevine assim como para financiar importantes melhorias tecnológicas. Também foi autorizada sua utilização para financiar o desenvolvimento de “La Viña”, a revista em español da Grapevine, por um determinado período de tempo.

Refira-se a um Grupo, um Distrito, uma Área ou à Junta de Serviços Gerais, o estabelecimento de um Fundo de Reserva é um elemento chave do princípio da auto-suficiência de A.A. e que pode ter conseqüências importantes, sendo a mais significativa, a de assegurar que os serviços de A.A. estarão disponíveis a todos aqueles que contam com a ajuda da Irmandade para alcançar e manter a sobriedade.

Transcrito, com permissão, do texto em español no boletim oficial do GSO,Box 4-5-9, edição de Natal / 2008

http://www.aa.org/lang/sp/sp_pdfs/sp_box459_holiday08.pdf

(*) Estas informações se referem à estrutura de Serviços Gerais dos EUA/Canadá. A Conferência de Serviços Gerais de cada país membro têm autonomia para determinar esses procedimentos, metas e limites.