DP - Aceitação

"- pai gosto muito de você e sei que quando não está bêbado é outra pessoa, muito legal!"

Quando completei seis meses de ingresso em A.A. resolvi por em prática os Passos e ao chegar ao Oitavo Passo comecei a fazer minha relação e uma
das pessoas que eu havia magoado tinha sido meu único filho que estava com 17 anos.

Quantas vezes ele não me carregou para dentro de casa e com paciência ouviu aquelas mesmas estórias! Quantas vezes o envergonhei perante os amigos e namoradas!

Com tudo isso na cabeça ,parti para o Nono Passo com muito medo de sua reação.

Então um dia enquanto ele polia sua bicicleta, me sentei numa cadeira próxima, engoli o medo e comecei a falar. Disse que era portador de uma
doença e que como ele havia percebido estava freqüentando o A.A.

Falei por mais de uma hora; quando terminei fiquei esperando ansioso, sua resposta e para meu espanto na sua simplicidade de adolescente ele me
disse: "-pai gosto muito de você e sei que quando não está bêbado é outra pessoa, muito legal!"

Hoje agradeço a Deus e os passos de A.A. por esta conversa, pois há um ano meu filho, com quase dezenove anos voltara de uma reunião com parentes em uma cidade próxima, quando colidiu a motocicleta com um caminhão e veio a falecer.

Recebi muito apoio dos meus amigos do A.A.; alguns tinham medo que eu recaísse, porém os tranqüilizava que o que me mantia em pé eram os dias que passei sóbrio ao lado de meu filho e que se voltasse a beber seria uma traição à sua memória. Ele ficou tão feliz com minha sobriedade que dizia
aos amigos: - a paz voltou à minha casa.

Nunca vou esquecer meu filho, mas tenho procurado aceitar a vontade de Deus e expressar minha gratidão a esta Irmandade maravilhosa fazendo parte da linha de serviços em meu grupo base como RSG e levado ao máximo de pessoas possíveis a mensagem maravilhosa de A.A.

Vivência Nº 103 - Set./Out. 2006