Artigos - A força dos seus membros e a sabedoria de seus fundamentos.

Dr. Olney Fontes, Médico, Custódio Não-Alcoólico e Diretor Financeiro da JUNAAB.


 Todos os dias ao despertar agradeço ao Poder Superior pelo dom da vida! 

Agradeço também pelos frutos colhidos ao longo da minha existência, pelas flores que venho colhendo e até pelos espinhos, representados pelos problemas e dificuldades que nos fazem crescer.

Na vida costumo ser egoísta com minhas tristezas, dissabores, dificuldades e pródigo nas alegrias e bons momentos. Acredito que em nossa existência terrena todos nós temos uma missão a cumprir e Deus nos envia sinais de como executá-la; compete a cada um interpretar e seguir a senda que nos é descortinada.

Quando abracei a medicina sabia o que me esperava, porém tantos anos passados ainda me surpreendo com o vulto adquirido por certas epidemias. Muitas delas, graças aos trabalhos empreendidos por pesquisadores, autoridades sanitárias, cuidados higienodietéticos e vacinações têm sido mantidas sobre relativo controle.
Existe, entretanto uma grande pandemia que, apesar de ser uma das mais antigas do mundo, só tem aumentado e ceifado milhares de vítimas ao longo dos anos. Refiro-me à epidemia das drogas. E quando menciono o termo drogas quero deixar claro que estou me referindo a uma imensa variedade que inclui tanto as lícitas como as ilícitas.
Atualmente pesquisa feita pela Organização Mundial de Saúde constatou que o tabagismo é a primeira causa de morte evitável no mundo, seguido pelo alcoolismo que é o vice-campeão nesta triste competição.

Por outro lado, diferentemente destas duas drogas não criminais, as ilícitas matam mais rapidamente vitimando assim milhares de jovens.

E se o tabagismo vem diminuindo em nosso país graças às leis severas que dificultam o fumar em público e proibição de publicidade na mídia, o alcoolismo e consumo das drogas pesadas só fazem aumentar, principalmente entre os jovens que cada vez mais cedo se tornam suas vítimas.

Mesmo após a promulgação da lei que impõe punições a quem dirija alcoolizado (Lei Seca) continuamos assistindo grande número de acidentes provocados por motoristas sob o efeito do álcool ou de outras drogas.

Jovens fazendo uso de álcool ou drogas é um triste espetáculo visto diariamente nas ruas de nossas cidades.Tudo isto decorre da dissociação entre o alto avanço da tecnologia e baixa espiritualidade principalmente na faixa mais jovem da população, que busca o prazer rápido e a qualquer preço, comprometendo assim o futuro e trazendo infelicidade para si e seus familiares.

No mundo moderno, extremamente materialista e consumista o ter é cultivado em grau máximo em detrimento do ser.

Infelizmente não existem vacinas contra estes inimigos, porém existem caminhos a serem trilhados por aqueles que procuram escapar do trágico destino que aguarda os que relutam em deixar a dependência, seja do álcool, seja das demais drogas. É um caminho difícil porém simples, que exige nada mais que doze passos e tem apenas duas letras: A.A.

Milhões de homens e mulheres no mundo inteiro têm suas vidas salvas graças aos ensinamentos, apoio e prática destes passos redentores, além da força e exemplos emanados dos membros mais antigos da Irmandade.

A.A. significa Alcoólicos Anônimos. Poderia também dizer amor altruísta, já que é praticado por portadores de uma doença, o alcoolismo, que pela prática do primeiro mandamento (amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo), conseguem transcender a terrível compulsão e manter a sobriedade, ao mesmo tempo que apoiam e fortalecem os que pedem ajuda!
Quando o destino me fez aproximar desta benemérita Irmandade fiquei impressionado com a força dos seus membros e a sabedoria de seus fundamentos. E a alegria, a genuína e verdadeira felicidade dos seus filiados ao resgatar alguém, no fundo do poço pedindo ajuda, praticando assim o seu termo de responsabilidade: “Quando alguém em qualquer lugar estender a mão pedindo ajuda quero que a mão de A.A. esteja sempre ali, e por isso eu sou responsável.” Ao fazê-lo estão exercitando um dos mais nobres sentimentos que o Poder Superior doou a humanidade-a compaixão!

Bondade, solidariedade, fraternidade e compaixão são sentimentos praticados por milhares de alcoólicos em recuperação, gerando uma corrente de energia positiva, salvando milhares de vidas e resgatando a cidadania de outras milhares de vidas de homens e mulheres.

Os cofundadores, Bill e Dr. Bob, desta maravilhosa organização sempre enfatizaram que para dar certo ele teria que ser simples. Como estavam certos! É através da simplicidade de seus Passos, Tradições e Conceitos que consegue decisivamente tocar o coração de todos os que dele se aproximam sejam ricos, pobres, homens, mulheres, brancos, negros, jovens, velhos, cristãos e adeptos de outras religiões e até agnósticos.
Hoje, fazendo um retrospecto de todos estes anos em que venho trabalhando com a Irmandade, sinto claramente que não há como não se modificar interiormente, como não se deixar tocar pela espiritualidade e se inundar pelo amor ao próximo ao conviver e procurar seguir seus princípios espirituais.

E confesso sentir sempre uma emoção muito forte ao proferir, em nossas reuniões, a simples e poderosa oração de serenidade, que fala em aceitar as coisas que não podemos modificar, e na vida temos que aprender a aceitar o que nos foi destinado, coragem para modificar aqueles que podemos e efetivamente o Poder Superior nos estimula a nos transformar em seres mais amorosos e sabedoria para distinguir umas das outras, o que nos leva a descobrir a Divindade existente dentro de cada um de nós.

Diz um velho ditado, que para caminhar 1000 km o importante é dar o primeiro passo. Do mesmo modo é o primeiro passo que vai trazer o alcoólico que sofre ao seio da grande família que o irá acolher, ao reconhecer sua impotência perante o álcool.

E a medida que vai praticando os sucessivos passos os horizontes vão se alargando e o espírito gradativamente se enchendo de luz numa sagrada jornada rumo à iluminação que culmina no seu encontro com os verdadeiros valores da vida, sem os quais o viver perde o sentido e sem os quais não lograremos êxito em nossa peregrinação rumo ao feliz destino que nos foi traçado pelo Poder Superior.