DP - Como funciona?

“Raramente temos visto fracassar uma pessoa que tenha seguido cuidadosamente o nosso caminho.”

Em meus primeiros tempos na Irmandade de Alcoólicos Anônimos a frase “raramente temos visto fracassar uma pessoa que tenha seguido cuidadosamente o nosso caminho” foi fundamental para realmente acreditar que havia um esperança concreta para a manutenção da minha sobriedade.

As histórias que ouvia na sala refletiam de um modo geral como aqueles companheiros eram, o que havia lhes acontecido e como estavam agora. Era perceptível a melhora em todos os aspectos pessoais de cada um deles. É claro que eu havia me identificado em minha totalidade com o pouco de cada um deles e queria para mim também aqueles mesmo frutos doces que o Programa tem a nos oferecer.

Neste ponto eu já havia me decidido que queria o que A.A. tinha para me oferecer e estava disposto a fazer tudo o que fosse preciso para o conseguir, então me preparei para dar certos passos. O Primeiro Passo já exercia em sua plenitude, porém, perante alguns destes passos, ainda resistia. Com a frequência às reuniões presenciei muitos companheiros que acreditaram que poderiam encontrar um caminho mais fácil e cômodo, porém não conseguiam dar continuidade ao Programa. Aqueles que mantinham uma sobriedade contínua sempre pediam, com toda a serenidade possível, que me empenhasse com aplicação e sem medo logo desde o início.

Percebia que alguns ainda tentavam se agarrar a velhas ideias, mas eu via que o resultado era nulo, o que me fazia lembrar de como o álcool é manhoso, desconcertante e poderoso!

Foi neste ponto que percebi que sem ajuda seria demais para mim, e que somente conseguiria com a ajuda de Um poder, e esse Um é Deus. 

Estava convencido de que as meias medidas de nada me adiantariam e apenas uma entrega completa a um Poder Superior, através da Programação de A.A. me dariam a chance de ter realmente um vida serena e feliz.

Seguindo os Doze Passos sugeridos pelo programa de recuperação de A.A. olhei cuidadosamente para os meus medos. Procurei e encontrei as razões destes medos através do Quarto Passo.

Percebi ao compartilhar com outro e com Deus a minha falta de confiança em mim mesmo, a autoconfiança resultava até um certo ponto, mas só por si não bastava. A enorme confiança que tinha em mim mesmo não resolvia inteiramente meu problema do medo e nem outras dificuldades. E quando ela me tornava arrogante, ainda era pior.

Passei realmente a acreditar que havia uma melhor maneira, pois o A.A. me mostrava que sim. Eu tinha agora uma base diferente onde me apoiar: “a base da confiança e da fé em Deus através dos meus companheiros de A.A.” Confiei em um Deus infinito e não na finitude dos homens. Passei a acreditar em cada um dos meus companheiros e suas experiências e através deles esse Poder Superior estava me ajudando a entender a programação de A.A., e que estava no mundo para desempenhar o papel que Ele me designou. À medida que atuava de acordo com o que pensava ser a Sua vontade, e humildemente confiava Nele, me tornava capaz de enfrentar serenamente a adversidade, então roguei humildemente a ele que removesse os defeitos de caráter por mim identificados.

Nunca precisei me desculpar perante ninguém por depender desse Poder Superior.

Hoje posso aceitar aqueles que consideram a espiritualidade como o caminho da fraqueza, porém paradoxalmente é a via da fortaleza e passo a entender cada vez melhor esta força que nasce da minha fraqueza. O veredicto dos tempos é que a fé significa coragem. Todas as pessoas de fé têm coragem, confiam no seu Deus.

Esta coragem foi fundamental para que eu pudesse efetuar as reparações que estavam ao meu alcance, sem prejudicar ninguém mais

Ao escutar as experiências de meus companheiros, compartilhando fé, força e esperanças, percebo que uma nova dimensão se agregou em minha vida. Houve uma época em que eu acreditava que somente o álcool podia tornar a minha vida tolerável. Sequer podia me imaginar sem ele.

Hoje, de uma forma estranha e milagrosa, sinto-me absolutamente bem, como se nada me faltasse. Tenho novos amigos, novas atitudes e novos horizontes.

Atualmente vejo a necessidade da prece e da meditação para que novas situações não se transformem em outros problemas.

Entendi desde a primeira vez que escutei o preâmbulo de Alcoólicos Anônimos que é fundamental me manter sóbrio e ajudar outros a alcançarem a sobriedade.

Através da transmissão da mensagem, onde o serviço em A.A. é peça fundamental, foi onde realmente encontrei a melhor forma de alicerçar minha sobriedade.

E é desta forma que acredito que o Programa de Recuperação sugerido por A.A. funciona, através de algo Superior emanado das trocas de experiências dos companheiros.

Obrigado a todos e mais vinte e quatro horas de sobriedade a todos.

(Vivência nº 135)