Artigos - Décima Primeira Tradição - Dr. Laís Marques

Décima Primeira Tradição - Dr. Laís Marques

“Nossas relações com o público baseiam-se na atração em vez de promoção; cabe-nos sempre preservar o anonimato pessoal na imprensa, no rádio e em filmes”.

O A.A. cresceu muito e, em grande parte, este crescimento se deve a uma legião de pessoas de boa vontade e amigas da Irmandade que, ao longo da sua existência, têm divulgado o A.A.. Uma boa parte desta divulgação é feita pelos escritórios de serviços aos quais são dirigidas solicitações de esclarecimento e ajuda, sendo que essas solicitações são feitas não só por alcoólicos e seus familiares, mas também por profissionais de saúde, por religiosos, por profissionais da mídia, etc.

Assim foi desde o início da existência da Irmandade, e isso levou ao desenvolvimento de uma política de relações públicas. Com o tempo e como resultado de erros e acertos, foi adotado o princípio da atração em vez da promoção. O resultado desta atitude foi muito interessante pois, ao contrário do que podia parecer, resultou em mais publicidade favorável ao A.A..

A Irmandade tinha que ser divulgada de alguma forma e os seus membros decidiram que isso deveria ser deixado para os seus amigos, que têm feito este trabalho surpreendentemente bem. É verdade que os profissionais da mídia freqüentemente se mostraram frustrados diante da insistência dos membros de A.A. em manter o anonimato. Custaram a entender essa posição, mas hoje compreendem o valor desta atitude. Desejava-se divulgar a entidade, mas não os seus membros, individualmente, e dessa posição resultou que os citados profissionais acabaram ficando satisfeitos e ainda mais amigos da Irmandade, acerca da qual têm falado com um grande entusiasmo.

Essa nova atitude é também o resultado de numerosas correspondências enviadas pelos Escritórios de Serviços em que explicam aos profissionais a política de relações públicas de A.A.

Outro fato que é preciso destacar é o de que a 11ª Tradição é mais do que uma política de relações públicas, pois que também se constitui num lembrete permanente de que a ambição pessoal não tem lugar em A.A. e que está nela implícito que cada membro dever ser guardião ativo da Irmandade em suas relação com o público em geral.