Artigos - Dependentes químicos

Dependentes Químicos: Pacientes Difíceis?

Eles me ensinaram a viver um dia de cada vez. Muitos colegas psicólogos e psiquiatras me perguntam como fui me apaixonar pela área de dependências química, pois dentro da psiquiatria são considerados pacientes difíceis porque "não querem se ajudar", "têm pouca aderência ao tratamento" e "são os últimos a reconhecerem a sua doença e a necessidade de ajuda". Em tudo isso há pouco ou muito de verdade, mas vamos analisar mais cuidadosamente as características destes meus amados pacientes...

Como é a vivência?

O uso da substância química: álcool ou outras drogas altera o comportamento ocasionando uma "inflação". O sujeito se supõe todo poderoso e capaz de realizar tarefas além de sua capacidade, visto que o álcool ou a droga mudam também a percepção da realidade.

Por outro lado, na ausência da bebida ou da droga,a situação se inverte e o individuo se vê mais frágil e impotente do que nunca, não conseguindo às vezes nem se olhar no espelho, de tão humilhado que se sente ao se lembrar do que "aprontou" na noite ou nos dias anteriores.

Sim, o adicto, aquele que "adiciona" algo a seu corpo, acaba sendo "duas" pessoas: o super-homem, movido a "combustíveis especiais" para passar pela vida sem senti-la, e o bêbado de sarjeta, o pobre coitado que não agüenta consigo mesmo. A modificação de sua percepção vai acontecendo à sua própria revelia, tanto que ele mesmo é o ultimo a percebê-la.

Primeiro é a esposa ou parceiro quem reclama que ele ou ela já não lhe dá atenção como antes, preferindo sempre o álcool ou a droga; depois, são os pais ou filhos (se os tiver) que se queixam de sua ausência e por último, o patrão ou colegas de emprego ou escola, muitas vezes os mais tolerantes com o uso que acabam se cansando de encobrir as faltas no trabalho e as "mancadas" nas tarefas de equipe que o adicto acaba cometendo, por conta das inúmeras "ressacas" e inadequações por aparecer "usado".

Quase sempre o dependente químico é levado a tratamento com um certo "empurrãozinho" daqueles que o amam e que justamente por se importarem com ele (ela) não se conformam com o seu modo de vida autodestrutivo e terminam por estimulá-lo a fazer alguma coisa para mudar o estilo de vida.

O dependente que se recupera...

Ao longo de minha jornada ao lado de dependentes químicos, posso dizer que tive o privilégio de conhecer muitas histórias de recuperação maravilhosas. São pessoas que depois de terem visto o "inferno" de perto de terem tornado também um "inferno" a vida de seus entes queridos, puderam dar uma guinada e voltar a ser gente, e, diga-se de passagem, gente muito especial!
Historias de verdade de quem reconstruiu a dignidade de viver,não tendo quase nada por onde começar.

Tal qual o mito de Dioniso, o deus Grego do vinho, que depois de esquartejado pelos Titãs foi reconstituído a partir do coração, tendo visto meus clientes e amigos dependentes de álcool e drogas se voltarem corajosamente para suas emoções em "cacos", e irem colando os pedacinhos até se tornarem inteiros novamente.

Recuperação que se faz com humildade e sempre; como eles me ensinaram: "Um dia de cada vez".

Psicóloga Clinica – Especialista em Dependência Química)
Vivência n° 82 – MARÇO/ABRIL 2003