DP - Despertar espiritual, viagens... Deixar fluir e entregar a Deus.

DESPERTAR ESPIRITUAL, VIAGENS... DEIXAR FLUIR E ENTREGAR A DEUS.
 
Exceto algumas dúvidas que foram resolvidas quando eu tinha uns dez anos, a minha crença em Deus sempre foi parte  de minha máscara. Anos de formação no seminário, que culminaram com a ordenação sacerdotal, me fizeram sentir que eu conhecia muito sobre Deus e sobre como me relacionar com Ele. Mas depois de participar em uma reunião de A.A. eu comecei a perceber como estava errado. Eu estava num centro de tratamento de alcoolismo para sacerdotes. Depois de três dias, fui a uma reunião na cidade, e um homem usou uma frase que ouvi pela primeira vez: “ Vamos deixar fluir e entregar a Deus”. Eu estava em tal nevoeiro alcoólico e depressão, que não poderia compreendê-lo. Pensei que ele estava dizendo : “Deixe-O ir embora”, uma espécie de variação sobre “esquecer o passado”. Mas prestando  mais atenção em outras reuniões finalmente ouvi o que ele estava dizendo: “  Saia do lugar do condutor. Relaxe e deixe Deus guiá-lo”.Aos quinze anos , eu tinha ido a uma reunião aberta de A.A. e percebi que meu vicio era alcoolismo. Eu sempre bebia para aliviar as pressões que sentia. Demorou quase trinta anos para ir a outra reunião. Enquanto a doença do alcoolismo progressivamente piorava, eu fui buscar ajuda em todos os lugares, exceto A.A. Busquei a ajuda de psiquiatras e lideres religiosos. E rezava e orava e orava :” Deus, me ajude com o meu problema com a bebida”.Na minha arrogância, tudo que eu estava pedindo de ajuda era para aprender a beber como uma pessoa normal. Mais ou menos disse a Deus que eu poderia cuidar de cada coisa, que poderia lidar com a minha crise pessoal no sacerdócio. Achava que poderia lidar com todos os problemas financeiros de uma paróquia da cidade grande do interior. Poderia fazer as pessoas se amarem e poderia quebrar o ódio
racial e a injustiça. Poderia lidar com os problemas da guerra do Vietnã, o desemprego, más condições de habitação, enfim, todas as coisas. Tudo que eu queria era que Deus lidasse com uma pequena área: a bebida. Bem, esse tipo de oração e de relacionamento com Deus me trouxe pata a beira da morte e da insanidade. Agora, graças a Deus, posso dizer a cada dia, “ Senhor, estou deixando tudo fluir, e estou deixando você, Deus, me guiar. Ajuda-me a seguir bem. Deixe-me ser um canal, pelo qual possa minha vida fluir neste dia”. Eu costumava pensar que era algum tipo de fonte ou reservatório. Tudo o que eu colocava para fora era o meu próprio ego e egoísmo. A vida é uma alegria agora. É uma alegria ser padre. É uma alegria estar sóbrio. É uma alegria saber que todas as coisas boas que Deus me deu pela psiquiatria, religião e ciência podem fazer minha vida feliz e produtiva, se eu deixar Deus ser o motorista. Não dei o Terceiro Passo de A.A. no meu seminário. Foi somente quando o álcool me derrubou e a mão de A.A. apareceu para me socorrer que eu pude perceber que a única maneira de viver é deixar  Deus  conduzir minha vida totalmente. Com sua ajuda,
cada dia a vida fica melhor. Ouvi-lo falar em reuniões através dos membros dessa maravilhosa Irmandade e voltando-me para Ele com frequência, todos os dias, sinto a vida valer a pena, um dia de cada vez. 

– D. M.- Northbrook, Illinois. – Abril de 1979.