Artigos - Fichas ou Livros?

“O que você acha da idéia do grupo entregar livros junto com as fichas, ou no lugar delas?”         
Que teria acontecido se A.A. e seus grupos não tivessem literatura? Como disse nosso co-fundador, Bill W., “nossa mensagem teria sido totalmente desvirtuada. .. (e) A.A. sem dúvida teria se atolado em um tumulto de controvérsia e desunião”.         
Larry S., delegado canadense, nos coloca sua experiência e opinião: 
Nesses dias em que a integridade de nossa mensagem se vê posta em duvida em tantas direções, necessitamos, mais do que nunca, apreciar e ler nossa literatura e transmiti-la a outros alcoólicos. Enquanto lia todo o material informativo sobre as diversas formas de levar a mensagem de A.A., perguntei a mim mesmo o que havia se passado com a importância de nossa literatura. Recordei, como se fora ontem, as primeiras responsabilidades. Meu padrinho me contou que chegava às reuniões uma hora antes de começar, para arrumar os objetos. Invariavelmente, eu também chegava cedo. Então ele me dava um artigo da literatura de A.A. para que eu lesse, e voltando para casa me fazia perguntas sobre o seu conteúdo. Essa era a maneira de me transmitir a mensagem de sobriedade de A.A. E funcionou naquela época, como funciona ainda hoje.         
Em nossa área, havia outros companheiros que estavam igualmente preocupados com o papel da literatura de A.A. Em conseqüência, alguns de nós fizemos uma pesquisa não oficial, telefônica, com uns sessenta membros de A.A., de quatro grupos, todos eles com menos de dois anos de sobriedade. A pergunta era: quantos possuem ou já leram os folhetos O grupo de A.A., Perguntas e Respostas sobre Apadrinhamento, As Doze Tradições Ilustradas e os livros Viemos a Acreditar, Viver Sóbrio, Na Opinião de Bill, A.A. Atinge a Maioridade e Alcoólicos Anônimos.         
Os resultados foram inquietantes. Nenhum dos sessenta membros de A.A., a quem perguntamos, tinha ou havia lido qualquer dos folhetos, nem os livros Viemos a Acreditar, Viver Sóbrio e inclusive A.A. Atinge a Maioridade. No entanto seis membros disseram que possuíam ou haviam lido Na opinião de Bill e trinta e sete o livro Alcoólicos Anônimos.         
Com a esperança de efetuarmos uma mudança, começamos a discutir sobre essa situação em nossas reuniões de grupo, Distrito e Área. O resultado é que alguns dos grupos que somente entregavam fichas e medalhões de sobriedade, agora os substituem por literatura de A.A. Por exemplo: com 30 dias de sobriedade, concedem o folheto O Grupo de A.A.; por 60 dias, Perguntas e Respostas sobre Apadrinhamento; com 90 dias, As Doze Tradições Ilustradas; por 6 meses, Viver Sóbrio ou Viemos a Acreditar e com um ano, uma assinatura da revista.         
Alguns grupos gostaram da idéia da literatura, porém, também queriam continuar com as fichas. Assim, chegaram a um acordo e agora entregam fichas junto com a literatura aos recém-chegados.         
Isto é somente o principio. Talvez possamos mudar de uma sociedade de “pedir” para uma sociedade de “dar”, quando os principiantes descobrirem do que se ocupa nossa comunidade, se desenvolvem de uma maneira sadia, experimentem a alegria do apadrinhamento e de passar a mensagem ao alcoólico que ainda sofre.A hora da verdade, a isto de chama "voltar ao básico".  

Vivência n° 42 – Julho/Agosto 1996