Artigos - Introduzindo e desmistificando os Conceitos

INTRODUÇÃO

• Passos: 1935 a 1939 – Publicação do Livro Azul
Estávamos doentes, precisávamos encontrar a solução para este problema, diversos métodos foram tentados até concluirmos que
a) deveríamos repensar nossos valores;
b) mudar nosso comportamento;
c) e que só poderíamos fazê-lo auxiliado por outros;

• Tradições: 1935 a 1945 – Publicação das Tradições 1946
Precisando permanecer juntos e contar com a boa vontade da sociedade em geral, considerando nossas tendências naturais, percebemos que deveríamos:
a) viver num regime verdadeiramente democrático, sendo inclusivos (não discriminatórios);
b) comungar um único objetivo;
c) assumir a responsabilidade por mantermo-nos,
d) obter boa vontade e respeito da sociedade em geral - notadamente da ciência e da religião;
e) dividir graciosamente estas descobertas;

• Conceitos:1938 a 1955 – Publicação dos Conceitos 1962
Dividir as descobertas implica em fazer com que elas cheguem ao maior número possível de pessoas sem distorções, isto é, respeitando os princípios "descobertos".
a) Sendo democráticos, a responsabilidade por qualquer decisão ou iniciativa deve residir na coletividade.
b) Métodos representativos, capazes de refletirem os anseios da coletividade foram desenvolvidos. Tais métodos exigiram uma estrutura baseada no princípio do serviço em vez do princípio da autoridade constituída; na participação de todos; na necessidade de ouvirmos e respeitarmos as minorias; na delegação de responsabilidades e autorizações para que atuem em nosso nome.
c) Os "servidores" foram e devem continuar a ser criteriosamente escolhidos entre os melhores e mais bem preparados para cada função.
d) Os demais colaboradores devem ser mantidos motivados e justamente remunerados.

• Conseqüência
Os três conjuntos de princípios, de um ponto de vista mais geral, desenvolveram-se por um processo semelhante:
a) fizeram-se necessários;
b) tentativas para encontrar a solução, conduziram, como é esperado, a erros e acertos;
c) após um período de utilização bem sucedida dos acertos eles foram codificados;
Neste sentido, reportando-nos à Introdução do livro Os Doze Conceitos para Serviços Mundiais, encontramos::

* Os Doze Conceitos...são uma interpretação (codificação) da Estrutura de Serviços Mundiais...mostram a evolução e detalham a experiência e as razões ..que apoiam nossas operações.
* Ânsia por melhoramento,..falhas imprevistas,...novas necessidades e problemas surgirão... .Tais alterações deveriam ser feitas e as contingências encaradas de frente.
* ...mudança não quer necessariamente assegurar progresso...
* ..um dos objetivos dos Conceitos é impedir a repetição dolorosa dos erros do passado...
* ...vemos um conjunto de princípios que já se tornaram tradicionais, mas que não foram ainda claramente definidos e explicados por escritos:
* Direito de Decisão;
* Direito de Participação;
* Direito de Apelação e Direto de Petição
* ... relacionamentos e arranjos legais ... que harmonizam, Conferência, Junta, Comitês da Junta, Unidades do Serviço Ativo Incorporado ...
* "Certas precauções foram tomadas, temendo-se que a descrição detalhada da nossa estrutura interna não viesse mais tarde se firma numa tradição rígida ou num evangelho, onde alterações necessárias seriam impossíveis de serem feitas."
* ..os futuros advogados das alterações...terão somente que apresentar motivos fortes para suas recomendações...
* ...grande ênfase à necessidade de alta capacidade de liderança....métodos cuidadosos na introdução de novos membros...do melhor relacionamento possível entre as pessoas...
* ...escolha entre o procedimento autoritário e o conceito democrático...
* "Tendo conhecimento das nossas tendências autoritárias ao dirigir, é natural e até imperativo, que nossos conceitos de serviço sejam baseados em sistemas de "verificações e prestações de contas". Temos que encarar o fato de que usualmente tentamos aumentar nossa autoridade e prestígio, quando estamos segurando as rédeas". Mas quando outros têm as rédeas nas mãos, arduamente resistimos a uma administração de linha dura. Tenho plena certeza disso, porque eu mesmo tenho essa característica."

DESMISTIFICANDO OS CONCEITOS

Os Doze Conceitos para Serviços Mundiais, em sua essência, e em sua aplicação irrestrita, em nada diferem dos Doze Passos e das Doze Tradições, pelo contrário, complementa-os.
No que se refere aos Conceitos, os "eternos resistentes" argumentam que o seu conhecimento e utilização devem ficar restritos ao círculo de Servidores e/ou àqueles companheiros desejosos em "doutorarem-se" nos princípios da Irmandade, pois além de herméticos, não encontram aplicação no dia a dia do Grupo ...Será? Ou será que a expressão "Serviços Mundiais" nos leva a crer que esses princípios se aplicam apenas ao A.A. dos Estados Unidos e Canadá?
Talvez o próprio Bill tenha contribuído para mistificação destes princípios quando declarou na introdução dos mesmos que, embora tenha consumido.cerca de seis anos para redigí-los, não conseguiu obter para a eles um estilo resumido, sintético e auto-explicativo como o aplicado nos Passos e Tradições 
Permitam-me reproduzir o trecho: 

"Devido ao grande número de assuntos que tinham de ser incluídos, estes Conceitos foram difíceis de ser organizados e escritos. Como cada Conceito é um grupo de princípios relacionados, declarações resumidas do tipo usadas nos Doze Passos e Doze Tradições de A.A. não foram possíveis. "Entretanto, estes Conceitos representam a melhor condensação que pude fazer, depois de mais de 20 anos de experiência na criação de nossa estrutura de serviço e na direção dos assuntos mundiais de A.A."....
- Doze Conceitos para Serviços Mundiais – 5a Edição – pg 9.

Vamos tentar navegar pelos Conceitos, cujo conteúdo que vou tentar expressar de forma resumida, refletindo ou questionando sua aplicabilidade nas atividades cotidianas de um Grupo. Para tentar facilitar a compreensão, permita-nos traçar a priori as seguintes equivalências e similaridades:entre os componentes do Grupo e da Estrutura de Serviços Gerais:

COMPONENTES EQUIVALENTES
Grupo Estrutura de Serviços Gerais
Membro Grupo
Junta (ou Equipe) de Serviços Junta de Custódios
Reunião Administrativa Conferência de Serviços Gerais
Consciência do Grupo Consciência da Irmandade

CONCEITO I: Os Grupos têm a responsabilidade final e a autoridade suprema pelos nossos serviços mundiais. A redação ainda complementa dizendo que a responsabilidade "deveria sempre recair sobre a consciência de toda a irmandade"..
Hoje, creio que podemos dizer que podemos dizer que recai.!
Muito bem: E aqui no nosso Grupos? Por acaso é diferente? As ações, decisões e iniciativas do Grupo não "deveriam" recair, ou não recaem sobre cada um dos membros ?

CONCEITO II: Estabelece que, por motivos de ordem prática e funcional,...os grupos de A.A....delegaram à Conferência completa autoridade para manutenção ativa dos nossos serviços mundiais , ou seja: a consciência delega poderes à Conferência para decidir e agir por ela.
Reflitamos: Nem todos os membros do Grupo participam da Reunião Administrativa.
O que estes membro estão na realidade fazendo? 
Não estarão delegando aos participantes a autoridade para decidir e agir em nome deles ?

CONCEITO III: ...é aqui sugerido que dotemos cada um desses elementos dos serviços mundiais com um tradicional "Direito de Decisão"
Algum Servidor de Grupo (Coordenador Geral, Secretário, Tesoureiro, Coordenador de CTO, RSG, RV, Coordenador de Reunião, Encarregado da Faxina ou Cafeteiro) pode funcionar sem exercer este direito? Serão eles "servidores de confiança" se não lhes outorgarmos tal Direito?

CONCEITO IV: ..."Direito de Participação"....em proporção correspondente à responsabilidade que cada um deve ter
Não vivemos dizendo a cada ingressante que suas opiniões têm o mesmo valor e importância que a opinião de qualquer um dos demais membros? Por acaso a algum membro ou servidor é negado o direito de expressão?
Imaginemos um Grupo grande o suficiente para necessitar de funcionários remunerados – isso não é fantasia eles existem, conheço pelo menos dois, – por acaso este grupo tomaria decisões na área de atuação de seus funcionários, deixando de se beneficiar da experiência de um colaborador experiente?.

CONCEITO V: .... prevalecer um tradicional "Direito de Apelação", assim nos assegurando que a opinião da minoria seja ouvida - Direito de Petição e Apelação
Para não ser muito longo ou exaustivo: O que seria da nossa Unidade se não praticássemos tal princípio em nosso Grupo?

CONCEITO VI: ...a Conferência...reconhece que a principal iniciativa e a responsabilidade ativa deveriam ser exercidas ...pelos Custódios, quando eles atuam entre si como Junta de Serviços Gerais de Alcoólicos Anônimos...
A Conferência delega autoridade a Junta para que ela possa administrar continuamente os assuntos da Irmandade, uma vez que Conferência normalmente se reúne apenas uma vez em cada ano.
Alguma semelhança entre este Conceito e procedimento da consciência de um Grupo em relação à sua Equipe de Serviços?

CONCEITO VII: A Conferência reconhece que a Ata de Constituição e os Estatutos da Junta de Serviços Gerais são instrumentos legais: que os Custódios têm plenos poderes para administrar e conduzir todos os assuntos dos serviços mundiais de Alcoólicos Anônimos. Além do mais é entendido que a Ata de Constituição da Conferência não é por si só um documento legal, mas pelo contrário, ela depende da força da tradição e do poder da bolsa de A.A. para efetivar a sua finalidade.
Junta = Direito Legal; Conferência = Direito Tradicional ==> EQUILÍBRIO
Embora a maioria esmagadora de nossos Grupos não tenha porte nem necessidade de assumir uma personalidade Jurídica - tal como o tem nossa Junta de Custódios, o princípio permanece válido, uma vez que qualquer Reunião Administrativa pode, se assim julgar necessário e/ou conveniente, reformular ou mesmo destituir a Equipe de Serviços, pois o fórum da Reunião Administrativa é o detentor da verdadeira autoridade Tradicional, a ela conferida pela consciência coletiva do Grupo.
Mesmo o exemplo extremo de dissolução provocada pelo corte das contribuições é possível, pois basta que os membros do Grupo (sua consciência) deixem de contribuir na sacola parta que os recursos deixem de existir...
Este Conceito talvez seja o que mais provoca nos "bem-informados-mal-intencionados" resistência à divulgação destes princípios, pois de fato, a compreensão de tal princípio por parte de todos os membros, coloca literalmente em risco suas supostas liderança e autoridade.

CONCEITO VIII: Os Custódios da Junta ...com relação aos nossos serviços, constantemente ativos e incorporados separadamente, a relação...é... de direito e de propriedade total e de supervisão de custódia que exercem através de sua capacidade de eleger todos os diretores dessas entidades.
A Junta (Os Custódios) Planeja, Administra e sub estabelece se necessário. É o Conselho de Administração da empresa cujos acionistas são os Grupos.
E aí? Algum paralelo pode ser traçado? 

CONCEITO IX: Bons Líderes de Serviço, bem como métodos sólidos e adequados para sua escolha são, em todos os níveis indispensáveis para o nosso funcionamento e segurança no futuro. A liderança principal dos serviços de A.A., antes exercida pelos fundadores de A.A., deve necessariamente ser assumida pelos Custódios da Junta de Serviços Gerais de Alcoólicos Anônimos - . Necessidade e Critérios de escolha de bons servidores.
Precisamos comentar?

CONCEITO X: Toda responsabilidade de serviço deveria corresponder a uma autoridade de serviço equivalente.....
Equilíbrio entre autoridade e responsabilidade.
Também não faz muito sucesso junto aos "bem-informados-mal-intencionados"!

CONCEITO XI: Enquanto os Custódios tiverem a responsabilidade final pela administração dos serviços mundiais de A.A., eles deverão ter sempre a melhor assistência possível dos comitês permanentes, diretores de serviço incorporado, executivos, quadros de funcionários e consultores. Portanto, a composição desses comitês subordinados e juntas de serviço, as qualificações pessoais dos seus membros, o modo com são introduzidos dentro do serviço os seus sistemas de revezamento, a maneira como eles são relacionados uns com os outros, os direitos e deveres de nossos executivos, quadros de funcionários e consultores, bem como uma base própria para a remuneração destes trabalhadores especais, serão sempre assuntos para muita atenção e cuidado.
Métodos de Administração, Motivação, Rotatividade e Remuneração de Colaboradores.
A necessidade e a aplicação corriqueira deste Conceito provavelmente só estão limitadas pelo porte do Grupos.

CONCEITO XII: As Garantia Gerais da Conferência: em todos o seus procedimentos, a Conferência de Serviços Gerais observará o espírito das Tradições de A.A., tomando muito cuidado para:

GARANTIA 1: que a Conferência nuca se torne sede de riqueza ou poder perigosos 

GARANTIA 2: que suficientes fundos para as operações, mais uma ampla reserva, sejam o prudente princípio financeiro;

GARANTIA 3: que nenhum dos membros da Conferência nunca seja colocado em posição de autoridade absoluta sobre qualquer um dos outros:;

GARANTIA 4: que todas as decisões importantes sejam tomadas através de discussão, votação e, sempre que possível, por substancial unanimidade;;

GARANTIA 5: que nenhuma ação da Conferência seja jamais pessoalmente punitiva ou uma incitação à controvérsia pública:;

GARANTIA 6: que, embora a Conferência preste serviço a Alcoólicos Anônimos, ela nunca desempenhe qualquer ato de governo e que, da mesma forma que a Sociedade de Alcoólicos Anônimos a que serve, a Conferência permaneça sempre democrática em pensamento e ação.

Podemos exigir menos de nossa equipe de serviço?

Companheiro Isaias  ---- Dondinha