Artigos - Nono Passo

Fizemos reparações diretas dos danos causados a tais pessoas, sempre que possível, salvo quando fazê-las significasse prejudicá-las ou a outrem.

 Bom-senso, cuidadoso sentido de escolha do momento, coragem e prudência – eis as qualidades que precisamos ter quando damos o Nono Passo.
   Após haver elaborado a relação das pessoas as quais prejudicamos, refletido bem sobre cada caso específico e procurado imbuir do propósito correto para agir, veremos que o reparo dos danos causados divide em várias classes aqueles aos quais nos devemos dirigir. Haverá os que deverão ter preferências, tão logo estejamos razoavelmente confiantes em poder manter nossa sobriedade. Haverá aqueles aos quais poderemos fazer uma reparação apenas parcial, para que revelações completas não façam a eles mais danos do que reparos. Haverá outros casos em que a ação deverá ser adiada, e ainda outros em que, pela própria natureza da situação, jamais poderemos fazer um contato pessoal direto.
   A maioria de nós começa a fazer certos tipos de reparos a partir do dia em que nos tornamos membros de Alcoólicos Anônimos. Desde o momento em que dizemos às nossas famílias que verdadeiramente pretendemos tentar adotar o programa, o processo se inicia. (12x12)
  Para ajudar a fazer a reparação, primeiro reze, depois prepare um plano, relacionando as pessoas com quem deve entrar em contato, o que dirá. Escrever cartas e dar telefonemas são meios aceitáveis, se o contato frente a frente não for possível. Às vezes, um encontro em pessoa não é a abordagem mais desejável. O importante é fazer a reparação antes que seja tarde demais. As reparações bem-sucedidas melhorarão nosso relacionamento com os que prejudicamos e promoverão melhores relacionamentos com os outros.
(Doze Passos para os Cristãos – jornada espiritual com amor-exigente)