DP - O Sobrionauta...

"Este pequeno balanço eu ofereço para publicação na revista VIVÊNCIA"

Não sou ainda um internauta, mas já sou um sobrionauta que conseguiu fazer, até o momento, muito mais do que considerava capaz e muito menos do que pretendia. Acredito que o benefício foi maior que o sacrifício.

Comecei na Internet achando que era um sacrifício (a vista fraca, a pouca compreensão das novas técnicas e métodos, tudo era muito caro e demorado, meu pavio estava curto e minha intolerância queria botar pra quebrar). O começo foi em setembro de 1998, após o convite do Xavier e da insistência de meus filhos para usar essa moderna ferramenta de comunicação. Eu tive um micro, mas havia sido roubado e em janeiro de 1998 comprei outro, melhor configurado e que utilizei com novo ânimo e melhores resultados na elaboração dos roteiros das temáticas que faço nos grupos.

Hoje completei o recebimento de 3.555 mensagens e até aquí enviei 325, o que totaliza 3.880 e-mails. Esse número elevado de mensagens me fez pensar que minha participação foi proveitosa, também pelos seguintes pontos:
- Compartilhei com mais companheiros de A.A. Alguns eu já conhecia antes, outros só conhecí depois da Internet, e alguns outros eu ainda não conheço pessoalmente, mas pretendo fazê-lo;
- Vencí vários bloqueios na utilização de microcomputador. Não estão totalmente superados, mas há esperança de melhora;
- Tratei de assuntos que ainda não havia conseguido tratar nos grupos ou órgãos de serviço, tais como: aprofundamento de temas, calendário de eventos, melhoramentos em grupos;
- Descobrí mais um meio de partilha das experiências individuais e grupais de A.A., as quais se perdem se não forem compartilhadas (e não devemos perder o que conquistamos, pois seria sofrimento inútil experimentar o que já foi experimentado com erros e acertos);

Solicitei apadrinhamento e estou sendo apadrinhado na Internet pelo mesmo companheiro que me incentivou a conhecer este meio de comunicação;
- Além disso, conheci um modo de praticar a Unidade de A.A., através da troca de informações, do estudo da literatura e do relato de aplicações dos princípios de A.A. em situações que, muitas vezes, confundem o membro que se encontra sozinho.

Porém, com a luz que emana do grupo, essas situações foram clareadas e o que era impossível tornou-se possível quando foi iluminado. O que era insuportável deixou de sê-lo com o uso da força obtida no grupo.
Como eu queria demonstrar, é proveitoso participar no AAbr, via Internet, como complemento da participação "cara a cara" nos grupos, no programa e no estudo da literatura de A.A., ou através do telefone e do correio tradicional.
O proveito é o da lapidação humana, de que todos necessitamos para deixar de ser pedra bruta e nos tornar polidos.
Concluo reafirmando que o benefício é maior que o sacrifício. Como tem feito muito bem para mim, eu me vejo com a responsabilidade de convidar mais companheiros para participarem conosco nos grupos de A.A. na Internet. Termino desejando a todos infinitas vinte e quatro horas de feliz e serena sobriedade.

VIVÊNCIA - Jan/Fev 2000.