Artigos - O último porre do Dr. Bob

Certa manhã, a enfermeira do consultório do Dr. Bob telefonou e disse: 
"Ele está aqui comigo. Meu marido e eu o recolhemos na estação de trem, às quatro horas da madrugada. Por favor, venham e vejam o que podem fazer".

Trouxemos Bob para casa, o colocamos na cama e logo depois fizemos uma descoberta alarmante. Ele havia programado uma cirurgia que somente ele poderia fazer. Seria para três dias depois: ele simplesmente teria que fazer o trabalho sozinho e aqui estava ele, tremendo como uma folha. 
Poderíamos conseguir que ele ficasse sóbrio a tempo? Anne e eu nos revezamos, tentando pôr o "menino grande" em forma. Bem cedo, na manhã da cirurgia, ele estava quase sóbrio. Na noite anterior eu tinha dormido no quarto com ele. De minha cama eu via que ele estava acordado, mas ainda tremendo. Nunca me esquecerei da maneira como ele me olhou, quando disse: "Bill, eu vou acabar com isso". Pensei que ele estava se referindo à cirurgia. "Não", ele disse, "quero dizer essa coisa sobre a qual temos conversados".

Anne e eu o conduzimos até o hospital às nove horas. Dei-lhe uma garrafa de cerveja para acalmar seus nervos e poder segurar o bisturi, e assim ele entrou. Voltamos para casa e nos sentamos, a fim de esperar. Depois de um certo tempo, que pareceu interminável, ele telefonou: tudo tinha saído bem, mas depois disso demorou muito para voltar para casa.  Apesar da grande tensão em que se encontrava, deixou o hospital, entrou em seu carro e começou a visitar seus credores e outra pessoas a quem ele tinha ofendido com seu comportamento.

Isso aconteceu no dia 10 de junho de 1935 e até a sua morte, quinze anos mais tarde, o Dr. Bob nunca mais tomou uma gota de álcool.

Essa data 10 de junho de 1935 é considerada a data da fundação de Alcoólicos