DP - Opções

Com freqüência podemos ouvir em nossos Grupos, depoimentos que mencionam a declaração: “Agora eu tenho opção”. 
Penso que seria importante considerar que tal declaração no tempo de “agora” implica em admitirmos que “antes, na ativa, não tínhamos opção”.
Podemos dizer que na ativa, tudo que tínhamos era “beber” ou “beber”.
Vejo dois pontos relevantes: determinismo e livre arbítrio.
Num extremo, o determinismo faz pressupor nossa existência dentro de um caminho totalmente traçado do qual não podemos desviar. É um Destino em todos os detalhes.
No outro extremo, o Livre Arbítrio pleno sendo aplicado a todas as situações de nossa vida, como se fossemos donos absolutos da mesma.
Em Alcoólicos Anônimos, aprendi muito cedo o aparente contraste entre entregar plenamente a minha vida a Deus e, ao mesmo tempo sentir a inexistência de qualquer obrigatoriedade de buscar uma reformulação.
Não foi difícil considerar a coexistência destas duas forças: determinismo e livre arbítrio, inicialmente em relação ao alcoolismo, meu principal problema.
É ele conseqüência de um “DETERMINISMO”.
Mas tenho em minhas mãos a possibilidade de não lutar para vencê-lo e sim, dele me isolar já que meu “LIVRE ARBÍTRIO” a isto me faculta.
São sábios os textos de A.A. quando nos Passos e nas Tradições apenas me sugerem caminhos, jamais existindo uma coerção para praticá-los.
Nas Garantias tenho assegurada minha permanência na Irmandade já que não importa o que faça, não posso dela ser privado.
Por isto, tenho que me rejubilar por hoje ter as opções indicadas pelo meu “LIVRE ARBÍTRIO”.
Não mais estou preso, circunscrito ao “DETERMINISMO” do “Beber ou beber”.

Vivência nº107 – Mai./Jun./2007.