Artigos - Perdão

"Se o alcoólico cometeu erros, os outros também podem ter cometido; ninguém pode querer ser perdoado se não consegue perdoar."

("Descobri que preciso perdoar em todas as situações a fim de manter um verdadeiro progresso espiritual. A importância vital do perdão pode não ter sido óbvia para mim à primeira vista, mas meus estudos me diziam que todo grande professor espiritual havia insistido fortemente nisso. Devo perdoar as injúrias, não apenas por palavras, ou como formalidade, mas dentro do meu coração. Não faço isto por amor as outras pessoas, mas para o meu próprio bem. Ressentimento, raiva ou desejo de ver alguém punido são coisas que apodrecem minha alma, me prendem a mais dificuldades, me amarram a outros problemas.")

O ressentimento é uma luta emocional com algum acontecimento do passado que não pode ser alterado, conseqüentemente, a manutenção do ressentimento é inútil, pois não muda nada. Além disso, implica deixar que outros dirijam minha vida, pois permite que algo que fizeram lá atrás continue me perturbando ainda hoje.

Também é necessário que se aprenda a perdoar nossos semelhantes, considerando que são tão falíveis quanto nós.

Se o alcoólico cometeu erros, os outros também podem ter cometido. E ninguém pode querer ser perdoado se não consegue perdoar.

Será mais fácil perdoar se a gente compreender que muitas pessoas que aparentam ser ou até foram grosseiras e desagradáveis, na maioria das vezes procederam assim como mecanismo de defesa, tentando se proteger; tais atitudes indicam fraqueza e não força.

Se eu conseguir tratar essas pessoas com cortesia e bondade haverá admiração e gratidão por parte delas, pois na realidade elas são muito carentes de afeto; há muitas feridas em suas almas e esta é a razão de tais atitudes.

Não nos esqueçamos de que a mania de falar mal dos outros é mera decorrência de um sentimento de inferioridade unido a um desejo de superioridade. Diminuindo os outros, as pessoas têm a ilusão de aumentar seu próprio tamanho. Toda maledicência é confissão pública de inferioridade, fraqueza e raquitismo espiritual, exacerbada pelo desejo de uma superioridade que não possuem nem tem condições de possuir. Quem consegue compreender isso consegue também deixar de se ressentir com a maioria das coisas.

O certo é procurar evoluir sem se comparar com nada e com ninguém.

Quem é superior quer servir, que é um comportamento ativo, e quem é inferior quer ser servido, que é um procedimento passivo.

Da mesma forma, quem perdoa demonstra ser forte e sadio, aceitando a si mesmo como é.

Deus me deu o livre-arbítrio e, conhecendo perfeitamente como funciona meu cérebro e minha natureza, me deu também os ensinamentos necessários para que me sinta bem e feliz. Não permito que nada perturbe isso. Ressentimentos, raivas, remorsos ou outras coisas negativas não podem tomar conta de mim.

Se tivermos ressentimento de alguém seria bom analisarmos detidamente o fato, com isenção de ânimo e depois perdoar, esquecer.

Se houver possibilidade de conversar com essa pessoa sobre o assunto, convém falarmos com franqueza e sinceridade, procurando com boa vontade saber suas razões.

Talvez assim possamos readquirir uma amizade, ou pelo menos resolveremos o assunto de vez, eliminando o ressentimento que nos incomoda.

Não é tão difícil quanto aparenta ser. Os que tentaram se surpreenderam.

Uma vez feita a relação das pessoas e dos danos, assim como reexaminados os fatos com a mesma técnica empregada no 4º Passo, nós, alcoólicos, saberemos exatamente a quem devemos pedir perdão e fazer reparações.

("Assim como você, muitas vezes me considerei a vítima do que as outras pessoas dizem e fazem. Mas todas as vezes que confessei os pecados dessas pessoas, principalmente daquelas cujos pecados eram diferentes dos meus, descobri que as coisas só pioraram. Sendo assim, agora, se alguém fala mal de mim, primeiro pergunto a mim mesmo se há alguma verdade no que foi dito. Se não há nenhuma, procuro, embora com dificuldade, perdoar essas pessoas e a mim mesmo.")

Não posso e não devo me acomodar às circunstâncias da vida. Não posso esperar para perdoar. Tem que ser já.

Preciso estar sempre totalmente livre para seguir de imediato, sem tardanças, novos caminhos que surgem, sem ter que perder tempo para me desembaraçar de coisas das quais já podia ter me libertado muito antes e que por causa da morosidade perturbam meu crescimento.

Entrar em ação o mais rápido possível: perdoar.

Vivência n° 98 - Nov/Dez. 2005