Artigos - Prudência

 "É cautela, é precaução, é moderação, é serenidade de juízo".

 Só me dei conta de que a filosofia de Alcoólicos Anônimos tem como alicerce a virtude da Prudência quando ouvia meu familiar dizer: - "Vou evitar o primeiro gole, só por hoje!".

 Apreensiva eu perguntava: - E amanhã? Ora, dizia ela: - Vou com calma! Amanhã a Deus pertence!

 Aí fui me inteirando dos fatos: *evite o primeiro gole; * vá com calma; * um dia de cada vez; *a repetição diária de: sou fulano, um alcoólatra em recuperação; * a aceitação; * a tolerância, e acima de tudo: *fugir das ocasiões propícias ao primeiro gole.

 Então isso tudo não é Prudência?

 Concluí assim que a Prudência é a base do programa de recuperação dos AAs.

 Sim, porque a Prudência é a virtude que nos faz conhecer e praticar, oportunamente, o que é bom.

 A Prudência sabe escolher meios e os Doze Passos de A.A. oferecem àqueles que estão em recuperação os meios e a oportunidade de uma qualidade de vida, porque não basta tapar a garrafa.

 Implicitamente a Prudência se manifesta em todos os passos com seus três elementos:

 A Reflexão: todo homem prudente pensa antes de agir.

 Um AA, além disso, recorre à memória, que é a faculdade de guardar e reproduzir fatos passados.

 Meu familiar sempre se recorda do seu sofrimento anterior à abstinência, do seu último porre, do "medo" da recaída e por quê?

 Por causa do sofrimento dele e da família. A reflexão calcula os prós e os contras; considera ensinamentos da experiência própria e alheia através dos depoimentos.

 A Determinação: todo homem prudente depois de pensar, toma uma decisão.

 Um AA prudente procura ser justo consigo mesmo e com os outros. Dá a cada um o que de direito lhe compete.

 Para que se concretize a determinação, o homem tem que ser forte e os AAs em recuperação têm por hábito praticar a coragem: na aceitação, na síndrome da abstinência, na admissão da vulnerabilidade frente ao álcool.

 A Realização: todo homem examina bem um assunto antes de decidir-se sobre ele e este, só se torna um ato de prudência, quando realizado.

 Os AAs, para não voltarem a beber, têm boa disposição e ânimo para aceitar as sugestões do Programa de A.A.

 Como eles dizem: - Força de vontade não basta; para que a realização se concretize é necessário ter "boa vontade", pois força de vontade é uma atitude isolada e boa vontade resulta do "compartilhar experiências, forças e esperanças".

 Lá no grupo que eu freqüento todos nós aguardamos com certa expectativa e prazer "nosso velho mentor" sentar-se para depor.

 Ele fala das suas experiências nestes 32 anos de A.A.; todos ouvem em silêncio como se o ouvissem pela primeira vez.

 Como antigo, sua experiência acumulada representa para os AAs e a mim, o ideal a ser atingido. Com suas palavras, prudentemente, ele alerta sobre os perios das 22 horas lá fora e como vencer a obsessão pela bebida.

 As histórias "parecem" sempre as mesmas, mas para nós são preciosidades; ele dá um toque especial e sabem por que?

 "A repetição deixa marcas até nas pedras".

 Atenção! Prudência!

 Ele é sábio e sendo sábio fez da Prudência a virtude primeira de sua caminhada em A.A.

 Hoje ele é o representante supremo da memória coletiva do grupo. 

(H.F./Amiga de A.A./SP)