..Reflexões Diárias - Dezembro

 * D E Z E M B R O * 

 Acesse abaixo o link do mês que você deseja ver.  

*   JANEIRO   *   FEVEREIRO   *   MARÇO   *   ABRIL   *   MAIO   *   JUNHO   *   
JULHO   *   AGOSTO   *   SETEMBRO   *   OUTUBR0   *  NOVEMBRO   *  DEZEMBRO   *






01  de  DEZEMBRO


PASSOS “SUGERIDOS”


Nosso Décimo Segundo Passo também diz que, como resultado da prática de todos os Passos, cada um de nós foi descobrindo 

algo que se pode chamar de “despertar espiritual”... O meio de que A.A. dispõe em nosso preparo para a recepção desta dádiva 

está na prática dos Doze Passos de nosso programa.


Os Doze Passos e as Doze Tradições, p.94 e 95


Eu lembro da resposta do meu padrinho quando lhe falei que os Passos eram “sugeridos” da mesma maneira que, se você saltar 

de um avião com um paraquedas, é “sugerido” que você puxe a corda para abri-lo e salvar a sua vida. Ele mostrou-me que era

 “sugerido” que eu praticasse os Doze Passos se quisesse salvar a minha vida. Assim eu tento me lembrar diariamente que tenho 

todo um programa de recuperação, baseado em todos os Doze Passos “sugeridos”.




02  de  DEZEMBRO

SERENIDADE

Tendo experimentado um despertar espiritual, graças a estes Passos...

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES, p. 94

À medida que continuei indo às reuniões e praticando os Passos, algo começou a me acontecer. Sentia-me confuso porque não estava seguro do que estava sentindo, e então percebi que estava sentindo serenidade. Era uma sensação agradável mas, de onde vinha? Então percebi que ele tinha vindo “... como resultado destes Passos”.

O programa pode não ser sempre fácil de praticar, mas precisei reconhecer que minha serenidade veio após praticar os Passos. Quando pratico os Passos em tudo que faço e os aplico em todos os meus negócios, descubro que estou acordado para Deus, para os outros e para mim mesmo. O despertar espiritual que desfruto como resultado de trabalhar os Passos é a consciência de que eu não estou mais sozinho.



03  de  DEZEMBRO

EM TODAS AS NOSSAS ATIVIDADES

...procuramos transmitir a mensagem aos alcoólicos e praticar estes princípios em todas as nossas atividades.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES, p. 94

Eu acho que é fácil transmitir a mensagem de recuperação para outros alcoólicos, porque me ajuda a manter-me sóbrio e me dá uma sensação de bem-estar a respeito de minha própria recuperação.
A parte difícil é praticar estes princípios em todas as minhas atividades. É importante que eu compartilhe os benefícios que recebo de A.A., especialmente em casa. A minha família não merece a mesma paciência, tolerância e compreensão que dou tão generosamente para o alcoólico?
Quando revejo o meu dia, tento perguntar: “Tive a chance de ser um amigo hoje e a perdi?”, “Tive chance de estar por cima de uma situação desagradável e a evitei?”, “Tive uma chance de dizer: sinto muito – e me recusei?”,
Da mesma forma que peço a Deus que me ajude com meu alcoolismo a cada dia, peço que me ajude a ampliar minha recuperação para incluir todas as situações e todas as pessoas!



04  de  DEZEMBRO

EM  AÇÃO

A.A. é mais do que um conjunto de princípios; é uma sociedade de alcoólicos em ação. Precisamos levar a mensagem, caso contrário nós mesmos poderemos recair e aqueles, a quem não foi dada a verdade, podem perecer.

NA OPINIÃO DO BILL, p. 13

Eu desejava desesperadamente viver, mas para conseguir isto tinha que me tornar ativo em nosso programa dado por Deus. Eu ingressei naquele que se tornou o meu Grupo, e lá abria a sala, fazia o café e a limpeza. Estava com cerca de três meses de sobriedade, quando um veterano me falou que eu estava fazendo trabalho de Décimo Segundo Passo. Que satisfação! Senti que realmente estava fazendo alguma coisa. Deus me dera uma segunda chance, A.A. me mostrara o caminho, e estas dádivas não eram apenas grátis – eram também sem preço! Agora a alegria de ver os ingressantes crescerem me lembra de onde vim, onde estou, e as possibilidades sem limites à minha frente. Preciso assistir às reuniões porque elas recarregam minhas baterias para que eu tenha luz, quando for necessário. Ainda sou um novato no serviço, mas já recebi muito mais do que dei. Não posso manter a sobriedade a não ser que a passe adiante. Eu sou responsável quando alguém precisar de ajuda. Desejo estar ali, sóbrio.



05  de  DEZEMBRO
 
UM  NOVO  ESTADO  DE  CONSCIÊNCIA

A dádiva recebida consiste em um novo estado de consciência e uma nova maneira de ser.


OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES, p. 95 
   
    Muitos de nós em A.A. quebramos a cabeça a respeito do que é um despertar espiritual. Eu tendia a procurar por um milagre, algo dramático e que sacudisse a terra. Mas o que normalmente acontece é uma sensação de bem-estar, um sentimento de paz que nos transforma para um novo nível de percepção. Foi isso que aconteceu comigo. Minha insanidade e confusão interiores desapareceram e entrei numa nova dimensão de esperança, amor e paz. Penso que o grau em que continuo a experimentar esta nova dimensão está em proporção direta à sinceridade, intensidade e devoção com que pratico os Doze Passos de A.A.



06  de  DEZEMBRO

QUANDO  AS  COISAS  VÃO  MAL

Ao desenvolvermo-nos mais ainda, descobrimos que o próprio Deus, sem dúvida é a melhor fonte de estabilidade emocional. Descobrimos que a dependência de Sua absoluta justiça, perdão e amor era algo saudável e que funcionaria quando tudo o mais fracassasse. Se realmente dependêssemos de Deus, nos seria difícil bancar Deus perante nossos semelhantes e nem sentiríamos a necessidade de nos apoiar totalmente na proteção e no cuidado humano.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES, p.103

A minha experiência tem sido que, quando todos os recursos humanos parecem ter fracassado, há sempre Um que nunca me desampara. Além disso, Ele está sempre ali para compartilhar minha alegria, guiar-me para o caminho certo, e para confiar-me a Ele quando nada mais resta. Enquanto que meu bem-estar e felicidade podem ser aumentados ou diminuídos pelos esforços humanos, somente Deus pode fornecer a alimentação amorosa da qual depende minha saúde espiritual diária.



07  de  DEZEMBRO

UMA  VERDADEIRA  AMBIÇÃO

Estávamos enganados com a verdadeira ambição; ela é o profundo e sadio desejo de viver uma vida útil e caminhar humildemente, por mercê de Deus.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES, p.111

    Durante meus anos de bebedeiras, minha única preocupação era a de que meus amigos me tivessem em alto conceito. Minha ambição em tudo que fazia era para ter o poder de ficar no topo. Meu eu interior continuava me dizendo alguma coisa, mas eu não podia aceitá-la. Nem sequer me permitia perceber que continuamente usava uma máscara. Finalmente quando a máscara caiu e eu gritei para o único Deus que podia conceber; a irmandade de A.A., meu Grupo e os Doze Passos estavam lá. Aprendi como mudar ressentimentos em aceitação, medo em esperança e raiva em amor. Aprendi também amar sem abrir expectativas, compartilhando minhas preocupações e cuidados por meus companheiros para que cada dia possa ser alegre e proveitoso.
   Eu começo e termino meu dia agradecendo a Deus, que tão generosamente derrama Suas graças sobre mim.



08  de  DEZEMBRO

SERVIÇO

A vida terá um novo significado. Observar as pessoas se recuperarem, vê-las ajudar aos outros, ver desaparecer a solidão, ver uma Irmandade crescer ao seu redor, ter uma multidão de amigos – eis a experiência que não se deve perder. ... O contato frequente com os ingressantes e os outros membros é a parte resplandecente das nossas vidas.

Alcoólicos Anônimos, p.109 ou p.117

É através do serviço que as maiores recompensas são encontradas. Mas para estar em posição de oferecer verdadeiro, útil e eficaz serviço aos outros, devo primeiro trabalhar em mim mesmo. Isso significa que tenho que me entregar nas mãos de Deus, admitindo minhas faltas e limpando as ruínas do meu passado. Trabalhar em mim mesmo me ensinou como encontrar a paz e a serenidade necessárias para unir com sucesso inspiração e experiência. Aprendi como ser, no verdadeiro sentido, um canal aberto de solidariedade.



09  de  DEZEMBRO

AMOR  QUE  NÃO  TEM  PREÇO

Quando conseguimos ver o Décimo Segundo Passo no conjunto de todas as suas implicações, estamos na verdade falando de um tipo de amor que não tem preço.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES, p.94 

   Para começar a praticar o Décimo Segundo Passo, precisei trabalhar em minha sinceridade e honestidade, e aprender a agir com humildade. Transmitir a mensagem é uma dádiva de mim mesmo, não importa quantos anos de sobriedade tenha acumulado. Meus sonhos podem tornar-se realidade.
   Reforço minha sobriedade compartilhando o que recebi de graça. Quando olho para trás, naquele tempo em que comecei minha recuperação, já havia uma semente de esperança de que poderia ajudar outro alcoólico a sair de seu lamaçal. Meu desejo de ajudar outro alcoólico é a chave para minha saúde espiritual. Mas nunca esqueço que Deus age através de mim. Sou somente Seu instrumento.
  Mesmo quando outra pessoa não está pronta, existe sucesso, porque meu esforço em seu benefício ajuda-me a ficar sóbrio e a me tornar mais forte. Agir, nunca ficar cansado no trabalho do Décimo Segundo Passo, é a chave. Se sou capaz de rir hoje, não posso esquecer aqueles dias em que chorava, Deus me lembra que posso sentir compaixão!



10  de  DEZEMBRO

TRANSMITINDO  A  MENSAGEM

E agora o que diremos do Décimo Segundo Passo? A maravilhosa energia que dele se desprende e a entusiástica transmissão de nossa mensagem ao alcoólico ainda sofredor e que, finalmente, transforma os Doze Passos em sublime orientação para todas as nossas atividades, é o pagamento, a magnífica realidade de Alcoólicos Anônimos.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES, p.97

   Renunciar ao mundo do alcoolismo não é abandoná-lo, mas agir sobre os princípios que venho a amar e tratar com carinho, e devolver aos outros, que ainda sofrem, a serenidade que conheci. Quando estou realmente empenhado neste propósito, pouco importa que roupas uso ou como vivo. Minha tarefa é transmitir a mensagem e liderar pelo exemplo, não por projetos.



11  de  DEZEMBRO

UMA  GENUÍNA  HUMILDADE

... que devemos conduzir-nos com genuína humildade. Isto para que nossas grandes bênçãos jamais nos estraguem: para que vivamos eternamente em grata contemplação d’Aquele que reina sobre todos nós.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.193 ou p.210

   A experiência me ensinou que minha personalidade alcoólica tem tendência para o grandioso. Mesmo que tiver, aparentemente, boas intenções, posso sair pela tangente atrás de minhas “causas”. Meu ego toma conta e perco de vista o meu propósito primeiro. Posso até tomar o crédito pela obra de Deus em minha vida. Esse sentimento exagerado de minha própria importância é perigoso para a minha sobriedade e pode causar grande dano a A.A. como um todo.
  Minha salvaguarda, a Décima Segunda Tradição, serve para manter-me humilde. Percebo, tanto como um indivíduo, como um membro da Irmandade, que não posso me gabar de minhas façanhas, e que “Deus faz por nós o que não podemos fazer por nós mesmos”.



12  de  DEZEMBRO

UMA  SOLUÇÃO  COMUM

O fator primordial para cada um de nós é que encontramos uma solução comum. Temos uma saída a respeito da qual todos concordamos plenamente em virtude da qual nos solidarizamos em harmoniosa e amigável fraternidade. Essa é a grande mensagem que este livro oferece a todos que sofrem de alcoolismo.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.41 ou p.47 e 48
  
   O trabalho de maior alcance de Décimo Segundo Passo foi a publicação de nosso Livro Azul: Alcoólicos Anônimos.
   Poucos podem igualar este livro na transmissão da mensagem.
   Minha ideia é sair de mim mesmo e simplesmente fazer o que posso. Mesmo se não me chamarem para padrinho e meu telefone tocar poucas vezes, sou capaz de fazer o trabalho do Décimo Segundo Passo. Eu me envolvo numa “ação fraterna e harmoniosa”. Nas reuniões chego cedo para cumprimentar as pessoas, ajudo a arrumar, compartilho a minha experiência, força e esperança. Também faço o que posso com o legado de serviço. Meu Poder Superior me dá exatamente o que Ele deseja que eu faça a cada etapa de minha recuperação e, se lhe permitir, minha disposição irá trazer o Décimo Segundo Passo automaticamente.



13  de  DEZEMBRO

PENSANDO  NOS  OUTROS

Nossas próprias vidas, como ex-bebedores problema, dependem de nossa constante preocupação com o próximo e da maneira em que possamos ser-lhe úteis.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.43 ou p.49 e 50.
   
    Pensar nos outros nunca foi uma coisa fácil para mim.
    Mesmo quando tento praticar o programa de A.A. sou propenso a pensar: “Como me sinto hoje? Estou feliz, alegre e livre?”.
    O programa me diz que meus pensamentos devem alcançar aqueles que estão à minha volta: “Este novato deseja alguém com quem falar?”, “Esta pessoa parece um pouco infeliz hoje, talvez eu possa animá-la”. É somente quando esqueço meus problemas e me esforço para contribuir com alguma coisa para os outros, que posso começar a alcançar a serenidade e consciência de Deus que procuro.



14  de  DEZEMBRO

ESTENDENDO  A  MÃO

Nunca assuma, junto a um alcoólico, superioridade moral ou espiritual; simplesmente, abra a caixa de ferramentas espirituais para que ele as examine. Mostre-lhe como funcionaram a seu favor.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.114 ou p.123

    Quando entro em contato com um ingressante, tenho a tendência de olhá-lo do meu ponto de vista de sucesso de A.A.?
    Eu o comparo com o grande número de conhecidos que fiz na Irmandade? Mostro-lhe, de uma maneira professoral, a voz de A.A.? Qual é a minha verdadeira atitude para com ele?
    Devo me examinar quando encontrar um novato, para ter certeza de que estou transmitindo a mensagem com simplicidade, humildade e generosidade. Aquele que ainda sofre da doença do alcoolismo deve achar em mim um amigo que o ajudará a conseguir conhecer a maneira de viver de A.A., porque eu tive um amigo assim quando cheguei. Hoje é minha vez de estender minha mão com amor para minha irmã ou irmão alcoólico e mostrar-lhes o caminho da felicidade.



15  de  DEZEMBRO

FAZENDO  TUDO  PARA  AJUDAR

Ofereça-lhe (ao alcoólico) amizade e camaradagem. Diga-lhe que se quiser parar de beber, fará tudo para ajudá-lo.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.114 ou p.123
  
    Eu lembro como fui atraído pelos dois homens de A.A. que me abordaram. Eles disseram  que eu poderia ter o que eles tinham, sem nenhuma condição vinculada, que tudo que eu tinha de fazer era me unir a eles na estrada da recuperação. Quando começo a convencer um novato a fazer as coisas da minha maneira, esqueço como foram prestativos aqueles dois homens para comigo, com a sua generosidade e mente aberta.



16  de  DEZEMBRO

PARCEIROS  NA  RECUPERAÇÃO

...não há nada melhor, para assegurar nossa imunidade contra a bebida, do que o trabalho intensivo com outros, alcoólicos... Ambos, você e o novo homem, devem andar passo a passo no caminho do progresso espiritual... Siga os ditames de um Poder Superior e brevemente estará vivendo num novo e maravilhoso mundo, não importa qual seja a sua situação atual.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.118 e 119 ou p.127 e 128

    Fazer as coisas certas pelas razões certas – esta é a minha maneira de controlar meu egoísmo e meu autocentrismo. Percebo que minha dependência de um Poder Superior limpa o caminho para a paz de espírito, a felicidade e a sobriedade.
   Rezo todo o dia para evitar minhas antigas ações, a fim de que eu seja de utilidade para os outros.



17  de  DEZEMBRO

UMA  RECOMPENSA  SEM  PREÇO

...trabalho intensivo com outros alcoólicos... Quando outras atividades fracassam, esta funciona.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS. p.109  ou  117

   “A sua vida terá um novo sentido”, como diz o Livro Azul (p.89 [ou p.166 ou p.180])*. Esta promessa tem-me ajudado a evitar o egoísmo e a autopiedade. Presenciar outros crescerem neste programa maravilhoso, vê-los melhorando a qualidade de  suas vidas, é uma recompensa sem preço do meu esforço em prol do outros.
   O autoexame é ainda outra recompensa de uma recuperação progressiva, assim como o são a serenidade, a paz e o contentamento. A energia proveniente de ver outros irem sendo bem sucedidos, e da partilha com eles das alegrias da jornada, dá um novo sentido à minha vida.

Existe um substituto e é mais que isto. É o companheirismo existente em Alcoólicos Anônimos. Lá, você encontrará alívio para a ansiedade, o tédio e as preocupações. Atiçará sua imaginação. Finalmente, a vida fará sentido. Os melhores anos de sua vida estão por vir. Esta é nossa opinião a respeito da Irmandade. E será também a sua.



18  de  DEZEMBRO

HONESTIDADE  COM  OS  PRINCIPIANTES

Conte-lhe exatamente o que aconteceu a você. Frise sem reservas o fator espiritual.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.112 ou  p. 121

   A maravilha de A.A. é que somente falo o que aconteceu comigo. Não desperdiço tempo oferecendo conselhos ao novato em potencial, pois se conselho funcionasse, ninguém iria para o A.A. Tudo que preciso fazer é mostrar o que trouxe a mim a sobriedade e o que mudou na minha vida. Se falho em acentuar as características espirituais do programa de A.A., estou sendo desonesto.
   Não de deve dar uma falsa impressão de sobriedade ao ingressante. Estou sóbrio somente pela graça de meu Poder Superior, e isto torna possível que eu compartilhe com os outros.



19  de  DEZEMBRO

COMPREENDENDO  A  DOENÇA

Ao tratar com um alcoólico você poderá ter um sentimento normal de aborrecimento por um homem ser tão fraco, grosseiro e irresponsável. Mesmo que compreenda melhor a doença, poderá surgir este sentimento.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS. p.154  ou  168

Tendo sofrido de alcoolismo, eu deveria entender a doença, mas às vezes sinto aborrecimento e até mesmo desprezo por uma pessoa que não consegue ir bem em A.A. Quando me sinto desta maneira, satisfaço meu falso senso de superioridade e devo lembrar que, se não fosse pela graça de Deus, lá estaria eu.



20  de  DEZEMBRO

AS RECOMPENSAS  DE  DAR

Isto de fato é dar, nada pedindo. Ele não espera qualquer paga ou amor por parte de seu companheiro. E então descobre que, pelo paradoxo divino contido nesta maneira de dar, já recebeu a sua própria recompensa, não importando se seu irmão foi ajudado ou não.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES, p. 97

    Pela experiência com o trabalho do Décimo Segundo Passo, vim a compreender as recompensas de dar, nada pedindo de volta. No início eu esperava a recuperação dos outros, mas logo aprendi que isto não acontece. Uma vez tendo alcançado a humildade para aceitar que cada abordagem não vai resultar em um sucesso, então estou aberto para receber as recompensas de dar, sem o egoísmo do retorno.



21  de  DEZEMBRO

ESCUTE, COMPARTILHE  E  REZE

Quando tentar ajudar um homem e sua família, deve ter o cuidado de não participar de suas alterações. Se o fizer poderá estragar a oportunidade de ser-lhes útil.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.119 ou p.128

Quando tento ajudar um companheiro alcoólico, sinto um impulso de dar conselhos; e talvez isto seja inevitável. Mas, dando aos outros o direito de estarem errados, permitimos que eles colham seus próprios benefícios. O melhor que posso fazer – e parece mais fácil do que na prática – é ouvir, compartilhar experiência pessoal e rezar pelos outros.



22  de  DEZEMBRO

PRINCÍPIOS, NÃO  PERSONALIDADES

A maneira como nossos “valorosos” alcoólicos, algumas vezes, tentam julgar os “menos valorosos”, é bastante cômica se refletirmos sobre o fato. Imagine se você puser, um alcoólico julgando outro!

A LINGUAGEM DO CORAÇÃO, p.37 ou  p.45
 
   Quem sou eu  para julgar alguém? Quando entrei na Irmandade pela primeira vez, descobri que todos gostavam de mim. Afinal, A.A. estava me ajudando a ter uma melhor maneira de vida sem o álcool. A realidade era que eu não poderia gostar de todos eles nem eles de mim. À medida que fui crescendo na Irmandade, aprendi a amar todos, apenas ouvindo o que eles tinham a dizer. Essa pessoa lá ou esta aqui pode ser aquela que Deus escolheu para me dar a mensagem de que preciso para o dia de hoje. Devo sempre lembrar-me de colocar os princípios acima das personalidades.


23  de  DEZEMBRO

RECUPERAÇÃO,  UNIDADE,  SERVIÇO

Nosso Décimo Segundo Passo – transmitir a mensagem – é o serviço básico que a Irmandade de A.A. faz; este é o nosso principal objetivo e a principal razão de nossa existência.

A LINGUAGEM DO CORAÇÃO. p.160 ou p.188

Agradeço a Deus por aqueles que vieram antes de mim, aqueles que me falaram para não esquecer dos Três Legados: Recuperação, Unidade, Serviço. No meu Grupo base, os Três Legados estão descritos num letreiro que diz: “Tome um banco de três pernas, tente equilibrá-lo somente em uma perna ou em duas. Nossos Três Legados devem manter-se intactos. Na Recuperação nós conseguimos ficar sóbrios juntos; na Unidade trabalhamos juntos para o bem de nossos Passos e Tradições; e através do Serviço nós damos aos outros, de graça, o que nos foi dado”.
Uma das principais dádivas em minha vida tem sido saber que eu não terei mensagem para dar a menos que me recupere em Unidade com os princípios de A.A.



24  de  DEZEMBRO

UMA “SÃ  E  FELIZ  UNIDADE”

Chegamos a acreditar que Ele gostaria que mantivéssemos nossas cabeças nas nuvens junto a Ele, mas que ficássemos com os pés firmes plantados na terra. É onde se encontram nossos companheiros que viajam e é aí que devemos fazer nosso trabalho. Estas são as nossas realidades. Não encontramos nenhuma incompatibilidade entre uma intensa experiência espiritual e uma vida de utilidades sã e feliz.
ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.158 e 159

    Toda oração e meditação do mundo não me ajudam a não ser que sejam acompanhadas de ação. Praticando os princípios em todas as minhas atividades, percebo o cuidado que Deus toma em todos os aspectos de minha vida. Deus aparece no  meu mundo quando me coloco de lado, e permito que Ele entre.



25  de  DEZEMBRO

EM  PAZ  COM  A  VIDA

Cada dia é um dia em que devemos levar a visão da vontade de Deus a todas as nossas atividades. “Como posso servi-Lo melhor? Sua vontade (não a minha) seja feita.”

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.104 e 105 ou p.114

Eu leio esta passagem toda manhã para começar o meu dia, porque ela é um aviso contínuo para “praticar estes princípios em todas as minhas atividades”. Quando conservo a vontade de Deus em minha mente, sou capaz de fazer o que devo fazer, e isto me coloca em paz com a vida, comigo e com Deus.



26  de  DEZEMBRO

ACEITANDO  O  SUCESSO  OU  O  FRACASSO

Além do mais, como podemos nos ajustar à derrota ou ao êxito aparentes? Podemos aceitar e nos adaptar a ambos sem desespero ou orgulho? Chegaremos a aceitar a pobreza, a doença, a solidão e consternação com coragem e serenidade?
Podemos nos contentar de verdade com as menores, embora duradouras, satisfações, quando nos são negadas as mais brilhantes e gloriosas realizações?

Os Doze Passos e as Doze Tradições, p.99 e 100.

Após encontrar A.A. e parar de beber, levou um tempo antes que entendesse porque o Primeiro Passo contém duas partes: minha impotência perante o álcool e a perda do controle da minha vida. Da mesma maneira, acreditei por muito tempo que para estar em sintonia com os Doze Passos bastava que “transmitisse esta mensagem para os alcoólicos”. Isso era apressar as coisas. Eu tinha esquecido que existiam Doze Passos e que o Décimo Segundo Passo também tem mais do que uma parte. Aos poucos aprendi que era necessário para mim “praticar estes princípios” em todas as áreas de minha vida. Trabalhando todos os Passos completamente, não somente permaneço sóbrio e ajudo alguém mais a alcançar a sobriedade, mas também transformo minhas dificuldades com a vida em alegria de viver.



27  de  DEZEMBRO

RESOLVENDO  PROBLEMAS

Igualmente importante foi a descoberta de que os princípios espirituais resolveriam todos os meus problemas.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p.64 ou p.71

Através do processo de recuperação descrito no Livro Azul, percebi que as mesmas instruções que funcionam em meu alcoolismo, funcionam também para muitas outras coisas. Sempre que estou zangado ou frustrado, considero o assunto como uma manifestação do meu principal problema: alcoolismo. Quando “caminho” através dos Passos, minha dificuldade em geral fica resolvida bem antes de alcançar a Décima Segunda “sugestão”, e aquelas dificuldades que persistem são tratadas quando faço um esforço para transmitir a mensagem para alguém mais. Esses princípios resolvem de fato os meus problemas! Não encontrei nenhuma exceção, e fui levado a uma maneira de viver que é satisfatória e útil.



28  de  DEZEMBRO

APRONTE-SE  E  APAREÇA

Em A.A. buscamos não apenas a sobriedade – tentamos voltar a ser cidadãos do mundo que rejeitamos e que também nos rejeitou. Essa é a demonstração máxima de que o trabalho do Décimo Segundo Passo é o primeiro e não o último.

NA OPINIÃO DO BILL, p.21

          A velha frase diz: “ Apronte-se e apareça”! Esta ação é tão importante que gosto de  considerá-la como minha máxima preferida.
          Posso optar todo dia para me aprontar e aparecer, ou não. Aparecendo nas reuniões, nasce em mim um sentimento de ser uma parte dessa reunião, pois assim posso fazer o que digo que farei. Posso conversar com os novatos e posso compartilhar minha experiência; isto é o que realmente significa credibilidade, honestidade e cortesia.  Ao me aprontar e aparecer realizo as ações concretas para um retorno progressivo à vida normal.



29  de  DEZEMBRO

A  ALEGRIA  DE  VIVER

Portanto, a alegria de viver bem é o tema do Décimo Segundo Passo.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES, p.112

A.A. é um programa alegre. Mesmo assim, às vezes resisto a tomar os Passos necessários para seguir adiante, e me encontro resistindo às próprias ações que me levariam à alegria que tanto desejo. Eu não resistiria se estas ações não tocassem algum aspecto vulnerável de minha vida, uma área que precisa de esperança e satisfação.
Repetidas experiências de alegria tendem a suavizar as duras arestas exteriores do meu ego. Aí repousa o poder da alegria para ajudar todos os membros de A.A.



30  de  DEZEMBRO

ANONIMATO

O anonimato é o alicerce espiritual de nossas Tradições, lembrando-nos sempre da necessidade de colocar os princípios acima das personalidades.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES, p. 167

   A Décima Segunda Tradição tornou-se importante nos primeiros dias de minha sobriedade e, junto com os Doze Passos, continua a ser indispensável em minha recuperação. Tornei-me consciente após ingressar na Irmandade, de que tinha problemas de personalidade. Assim, quando ouvi pela primeira vez a mensagem da Tradição, estava muito claro: existe uma maneira imediata para, com os outros, encarar meu alcoolismo e seus acompanhantes, a raiva, as atitudes defensivas e ofensivas. Via a Décima Segunda Tradição como sendo uma grande desinfladora do ego; ela aliviou a minha raiva e me deu uma chance de utilizar os princípios do programa. Todos os Passos, e esta Tradição em particular, têm-me guiado por décadas de sobriedade contínua. Sou grato àqueles que estavam aqui quando precisei deles.



31  de  DEZEMBRO

RESOLUÇÕES DIÁRIAS

A ideia de viver um “plano de vinte e quatro horas”, aplica-se primeiramente à vida emocional do indivíduo. Emocionalmente falando, não devemos viver no ontem, nem no amanhã.

NA OPINIÃO DO BILL, p. 284

   Um Ano Novo: 12 meses, 52 semanas, 365 dias, 8.760 horas, 525.600 minutos – um momento para considerar caminhos, objetivos e ações. Devo fazer alguns planos para viver uma vida normal, mas também devo viver emocionalmente dentro de uma estrutura de vinte e quatro horas, porque assim não preciso fazer resoluções de Ano Novo!
   Posso fazer de cada dia um dia de Ano Novo! Posso decidir:
 “Hoje farei isto... Hoje farei aquilo...” Cada dia posso medir a minha vida tentando fazer um pouco melhor, decidindo seguir a vontade de Deus e fazendo um esforço para colocar em ação os princípios de nosso programa de A.A.