..Reflexões Diárias - Agosto

 * A G O S T O * 

 Acesse abaixo o link do mês que você deseja ver. 

*   JANEIRO   *   FEVEREIRO   *   MARÇO   *   ABRIL   *   MAIO   *   JUNHO   *   
JULHO   *   AGOSTO   *   SETEMBRO   *   OUTUBR0   *  NOVEMBRO   *   DEZEMBRO   *



31  AGOSTO

UM PROGRAMA ÚNICO

Alcoólicos Anônimos jamais terá uma classe profissional. O antigo ditado: “O que vos foi dado de graça, de graça deveis dar.”, tornou-se plenamente compreensível para nós. Descobrimos que no nível de profissionalismo, dinheiro e espiritualidade não se misturam.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Acredito que Alcoólicos Anônimos permaneça sozinho no tratamento do alcoolismo porque ele é baseado unicamente no princípio de um alcoólico compartilhando com outro alcoólico. Isto é que faz o programa ser único. Quando decidi que desejava ficar sóbrio, chamei uma mulher que sabia ser membro de A.A., e ela transmitiu-me a mensagem de Alcoólicos Anônimos; Não recebeu nenhuma compensação monetária, mas, ao invés disso, foi paga pelo fato dela mesma ter ficado sóbria por mais um dia. Hoje eu não pediria nenhum pagamento que não fosse um outro dia livre do álcool. Dessa forma, sou pago generosamente pelo meu trabalho.



01  AGOSTO


VIVENDO-A

A vida espiritual não é uma teoria. É preciso vivê-la.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

quando novo no programa, eu não podia compreender como viver o aspecto espiritual do programa, mas agora que estou sóbrio, não posso compreender a vida sem ele. 

Espiritualidade era o que eu estava procurando. Deus, como eu O concebo, deu-me as respostas aos "porquês" que me mantiveram bebendo por vinte anos. Vivendo uma vida espiritual, pedindo a ajuda de Deus, aprendi a amar, cuidar e sentir compaixão por todos os meus companheiros, e sentir alegria num mundo onde antes, sentia somente medo.



02   AGOSTO

NÓS NOS TORNAMOS DISPOSTOS...

Neste momento, estamos tentando por em ordem nossas vidas.
Mas, isto não é um fim em si.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

Como posso, facilmente, ficar mal orientado ao aproximar-me do Oitavo Passo! Desejo ser livre e transformado de alguma maneira pela prática do Sexto e Sétimo Passos. Agora, mais do que nunca, sou vulnerável ao egoísmo e à minha agenda oculta. Preciso cuidar de lembrar que a auto-satisfação, algumas vezes proveniente do perdão das pessoas que prejudiquei, não é meu verdadeiro objetivo. Torno-me disposto a fazer reparações, sabendo que através deste processo sou corrigido e ajustado de seguir adiante, conhecer e desejar a vontade de Deus para mim.



03  AGOSTO

... SER ÚTIL

Nosso objetivo primordial é ajustar-nos para que sejamos de utilidade máxima a Deus e aos que nos rodeiam.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

É claro que o plano de Deus para mim é expresso através do amor. Deus me amou o bastante para me tirar dos becos e cadeias para que eu pudesse ser transformado em um participante útil em Seu mundo. Minha resposta é amar todos os Seus filhos através do serviço e pelo exemplo. Peço a Deus para me ajudar a imitar o Seu amor por mim, através de meu amor pelos outros.



04   AGOSTO

SEMENTES DE FÉ

A fé é absolutamente necessária, porém, a fé isolada não basta para nosso propósito. Porque podemos ter fé e ao mesmo tempo deixar Deus fora de nossas vidas.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Quando criança sempre questionava a existência de Deus. Para um "pensador científico" como eu, nenhuma resposta resistia a uma dissecação completa, até que uma mulher muito paciente finalmente me disse: "Você precisa ter fé." Com esta simples declaração, as sementes de minha recuperação foram plantadas.

Hoje, quando pratico minha recuperação aparando as ervas daninhas do alcoolismo - lentamente estou deixando essas antigas sementes de fé crescer e florescer. Cada dia de recuperação, de ardente jardinagem, se integra mais em minha vida o Poder Superior de meu entendimento. Meu Deus tem estado sempre comigo através da fé, mas é de minha responsabilidade ter a disposição para aceitar a Sua presença. Peço a Deus para me conceder a disposição para fazer a Sua vontade.



05   AGOSTO

OUVINDO ATENTAMENTE

Com que persistência apregoamos nosso direito de decidir sozinhos o que pensaremos e como agiremos.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Se aceito e atuo pelos conselhos daqueles que têm feito o prgrama funcionar para si, tenho chance para superar os limites do passado. Alguns problemas se reduzirão a nada, enquanto outros podem requerer uma ação paciente e bem pensada. Ouvindo atentamente quando os outros compartilham, pode-se desenvolver a intuição para tratar os problemas que surgem inesperadamente. Normalmente é melhor para mim evitar ações impetuosas. Assistir a uma reunião ou falar com um membro de A.A. geralmente reduz a tensão o bastante para trazer alívio a um sofredor desesperado como eu. Compartilhando problemas nas reuniões com outros alcoólicos com os quais me relaciono, ou em particular com meu padrinho, posso mudar aspectos das posições nas quais me encontro. Defeitos de caráter são identificados e começo a ver como eles trabalham contra mim. Quando coloco minha fé no poder espiritual do programa, quando confio em que os outros me ensinem o que preciso fazer para ter uma vida melhor, descubro que posso confiar em mim mesmo para fazer o que é necessário.



06  AGOSTO

IMPELIDOS

Impelidos por centenas de formas de medos, auto-ilusão, egoísmo e autopiedade, pisamos nos pés dos outros e eles revidam.
ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

Meu egoísmo era a força para que me impelia para a bebida. Bebia para celebrar o sucesso e bebia para afogar as minhas desgraças. Humildade é a resposta. Aprendo a entregar a minha vontade e a minha vida aos cuidados de Deus. Meu padrinho me diz que o serviço me mantém sóbrio. Hoje me pergunto: Procurei saber a vontade de Deus para comigo? Prestei serviço a meu Grupo de A.A.?



07  AGOSTO

“UM PLANO PARA VIVER”

Nós, de nossa parte, buscamos a mesma saída com todo o desespero de homens naufragados. O que parecia, à primeira vista, um frágil remo, logo demonstrou ser a bondosa e poderosa mão de Deus. Uma nova vida nos foi dada ou, se preferem, um “plano para viver” que realmente funciona.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

Todo dia procuro elevar meu coração e mãos em agradecimento a Deus por me mostrar um “plano para viver” que realmente funciona através de nossa maravilhosa Irmandade. Mas, o que é exatamente esse “plano para viver” que “realmente funciona”? Para mim é a prática dos Doze Passos ao melhor de minha habilidade, a percepção contínua de um Deus que me ama incondicionalmente, e a esperança de que, em cada novo dia, há um propósito para minha existência. Sou realmente abençoado nesta Irmandade.



08  AGOSTO

“FIZEMOS UMA RELAÇÃO...”

“Fizemos uma relação de todas as pessoas a quem tínhamos prejudicado...”

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Quando me aproximei do Oitavo Passo, fiquei pensando como poderia relacionar todas as coisas que tinha feito a outras pessoas, já que havia muitas pessoas e algumas delas nem estavam mais vivas. Algumas das dores que infligi não eram tão graves, mas realmente me aborreciam. O mais importante deste Passo era tornar-me disposto a fazer o que precisasse para reparar os danos o melhor que pudesse nesta hora em particular. Onde há uma vontade há um caminho, assim, se quero me sentir melhor, preciso livrar-me dos sentimentos de culpa que tenho. Uma mente em paz não tem espaço para sentimentos de culpa. Com a ajuda de meu Poder Superior, se sou honesto comigo mesmo, eu posso limpar a minha mente destes sentimentos.



09   AGOSTO

“... DE TODAS AS PESSOAS QUE TÍNHAMOS PREJUDICADO...”

“... e nos dispusemos a reparar os danos causados a elas.”

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Uma das palavras-chave do Oitavo Passo é a palavra “todos”.

Não tenho a liberdade de selecionar alguns nomes para a relação e deixar outros de lado. É uma relação de todas as pessoas a quem prejudiquei. Posso ver imediatamente que este Passo está ligado ao perdão porque, se não estou disposto a perdoar alguém, há poucas chances de colocar seu nome na lista. Antes de colocar o primeiro nome na lista, fiz uma pequena oração: “Perdoo a qualquer um e a todos que tenham me prejudicado, em qualquer tempo e sob quaisquer circunstâncias”.

É bom para mim contemplar uma pequena, mas muito significante palavra, cada vez que é feita Oração do Pai Nosso. A palavra é “como”. Eu digo, “Perdoai a nossas ofensas, assim “como” nós perdoamos aqueles que nos ofenderam”. Neste caso, “como” significa “da mesma maneira”. Estou pedindo para ser perdoado da mesma maneira que perdoo os outros.

Quando digo esta parte da oração, se estou abrigando ódio ou ressentimentos, estou chamando por mais ressentimentos, quando deveria estar chamando o espírito do perdão.



10  AGOSTO

REDOBRANDO NOSSOS ESFORÇOS

Até certo ponto, tal exame já foi feito quando fez o inventário moral, mas agora chegou a hora em que deveria redobrar seus esforços para ver quantas pessoas feriu e de que forma.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

A medida que continuo a crescer em sobriedade, me torno mais consciente de mim mesmo como uma pessoa de valor. Neste processo, sou mais capaz de ver os outros como pessoas e, com isto, vem a percepção de que são pessoas a quem magoei nos meus dias de bebida. Eu não mentia apenas, mentia sobre Tom. Não enganava apenas, enganava Joe. O que parecia serem atos impessoais, foram na realidade afrontas pessoais, porque foram pessoas – pessoas de valor – a quem prejudiquei. Preciso fazer alguma coisa a respeito das pessoas que magoei para que possa desfrutar de uma sobriedade cheia de paz.



11  AGOSTO

REMOVENDO O “VENENO”

“O inventário moral é um exame ousado dos danos que nos ocorreram, durante a vida, e um sincero esforço para vê-los em sua verdadeira perspectiva. Ele tem o efeito de tirar o “veneno” de dentro de nós, a substância emocional que abate ou inibe ainda mais.”

NA OPINIÃO DO BILL

Minha lista do Oitavo Passo costumava lançar-me em um redemoinho de ressentimentos. Após quatro anos de sobriedade, estava bloqueado pela negação ligada a um relacionamento abrasivo ainda existente. O debate entre o medo e o orgulho diminuiu quando as palavras do Passo se moveram de minha cabeça para meu coração. Pela primeira vez em anos abri minha caixa de pintura e esparramei uma raiva honesta, uma explosão de vermelhos, pretos e amarelos. Enquanto olhava o desenho, lágrimas de alegria e alívio desciam pelo meu rosto. Na minha doença, eu tinha abandonado minha arte, uma punição auto-infligida muito maior que qualquer outra de fora. Na minha recuperação, aprendi que a dor de meus defeitos é a própria substância que Deus usa para limpar meu caráter e me deixar livre.



12  AGOSTO

OLHAMOS PARA O PASSADO

Primeiro, olhamos para o passado e tentamos descobrir onde erramos: então, fazemos uma enérgica tentativa de reparar os danos que tenhamos causado.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Como um viajante na nova e excitante viagem de recuperação de A.A., experimentei uma recém-achada paz de espírito, e o horizonte apareceu claro e brilhante, ao invés de obscuro e confuso. Rever minha vida para descobrir onde tinha errado parecia ser uma tarefa árdua e perigosa. Era doloroso parar e olhar para trás. Tinha medo de tropeçar! Não poderia tirar o passado da minha mente e apenas viver em meu novo presente dourado? Percebi que aqueles, a quem tinha prejudicado no passado, permaneciam entre mim e meu desejo de continuar minha viagem para a serenidade. Tive que pedir por coragem para encarar essas pessoas em minha vida que ainda viviam na minha consciência, para reconhecer e tratar a culpabilidade que suas presenças produziam em mim. Tive que olhar aos danos que fiz e tornar-me disposto a fazer reparações. Somente então minha viagem do espírito poderia recomeçar.



13   AGOSTO

UMA VASSOURA LIMPA

... e, em terceiro lugar, havendo desta forma limpado o entulho do passado, consideramos de que modo, com o novo conhecimento de nós mesmos, poderemos desenvolver as melhores relações possíveis, com todas as pessoas que conhecemos.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Quando olhei para o Oitavo Passo, tudo o que foi pedido para completar com sucesso os sete passos anteriores veio junto: coragem, honestidade, sinceridade, disposição e meticulosidade. Não poderia reunir a força requerida para esta tarefa no começo, e é por isso que está escrito neste Passo: “nos dispusemos...”

Precisava desenvolver a coragem para começar, a honestidade para ver onde eu estava errado, um desejo sincero de colocar as coisas em ordem, precisava ser meticuloso ao fazer a relação e precisava ter disposição para assumir os riscos exigidos para a verdadeira humildade. Com a ajuda de meu Poder Superior, para desenvolver estas virtudes, completei este Passo e continuei movendo-me para adiante na minha busca de um crescimento espiritual.



14  AGOSTO

REPARANDO OS DANOS

Tentamos varrer o entulho acumulado como resultado de nosso esforço em viver na teimosia e dirigir sozinhos o espetáculo. Se não temos vontade de fazê-lo, pedimos para que ela nos chegue.

Lembremo-nos de que, a princípio, estávamos dispostos a fazer todo o possível para vencer o álcool.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

Fazer uma relação das pessoas a quem prejudiquei não foi uma coisa particularmente difícil. Elas apareceram no meu inventário do Quarto Passo: pessoas de quem eu tinha ressentimentos, reais ou imaginários e a quem tinha magoado por atos de retaliação. Para minha recuperação ser completa, acreditava que não era importante para aqueles que legitimamente tinham me magoado,fazer-me reparações.

O que é importante no meu relacionamento com Deus é que permaneço perante Ele, sabendo que fiz todo o possível para reparar os danos que causei.



15  AGOSTO

NÃO MAGOAMOS NINGUÉM?

Alguns de nós, contudo, tropeçamos em um obstáculo bem diferente. Apegamo-nos à tese de que, quando bebíamos nunca ferimos ninguém, exceto nós mesmos.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Este Passo parecia muito simples. Identifiquei várias pessoas a quem tinha magoado, mas elas não estavam mais disponíveis. Porém, estava inquieto sobre o Passo e evitava conversas a respeito. Eventualmente aprendi a investigar este Passo e áreas de minha vida que me deixavam desconfortável. Minha pesquisa mostrou meus pais, que tinham sido muito magoados por eu ter ficado isolado deles; meu empregador, que se preocupava com as minhas faltas, os meus lapsos de memória, meu mau humor; os amigos, que evitava sem dar explicações. À medida que encarei a realidade dos danos que tinha feito, o Oitavo Passo assumiu um novo significado. Não estou mais desconfortável e me sinto limpo e leve.



16  AGOSTO

EU TINHA ME DESLIGADO

Poderíamos, então, perguntar a nós mesmos: o que queremos dizer quando falamos em “prejudicar” as outras pessoas?

Que tipo de “danos” se fazem às pessoas, afinal?

Para definir a palavra “dano” de maneira prática, poderíamos dizer que é o resultado do choque entre instintos, que causa prejuízos físicos, mentais, emocionais ou espirituais às pessoas. Alguns de nós, contudo, tropeçamos em um obstáculo bem diferente. Apegamo-nos à tese de que, quando bebíamos nunca ferimos ninguém, exceto nós mesmos.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Eu tinha assistido a reuniões sobre o Oitavo Passo, sempre pensando: “Realmente não magoei muitas pessoas, magoei principalmente a mim mesmo”. Mas quando escrevi a minha relação, não era tão curta como pensava. Ou gostava de você, ou não gostava, ou precisava de alguma coisa de você – era simples assim. As pessoas não faziam o que eu queria e os relacionamentos íntimos ficavam na contramão devido às exigências pouco razoáveis de meus parceiros. Estes eram “pecados de omissão”? Devido à bebida eu tinha me “desligado” - nunca escrevendo, nunca telefonando de volta, nunca estando ali para outras pessoas ou tomando parte em suas vidas. Que bênção tem sido olhar estes relacionamentos, fazer meus inventários calmamente, sozinho com o Deus do meu entendimento e sair diariamente, com a disposição de ser honesto e franco em meus relacionamentos.



17   AGOSTO

REPARANDO O DANO

Em muitas instâncias descobriremos que, mesmo que o dano causado aos outros não tenha sido grande, o dano emocional que causamos a nós mesmos foi enorme.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Você já pensou que o dano causado a um sócio nos negócios ou talvez a um membro da família foi tão leve que não merece na realidade um pedido de desculpas, porque eles nem vão se lembrar do fato? Se essa pessoa e o erro feito a ela, continuam vindo ao pensamento, causando inquietação ou talvez um sentimento de culpa, então eu coloco o nome desta pessoa no topo da minha “relação de reparações” e me predisponho a fazer uma apologia sincera, sabendo que me sentirei calmo e relaxado sobre essa pessoas, assim que me sentirei calmo e relaxado sobre essa parte importante de minha recuperação esteja cumprida.



18  AGOSTO

SARANDO

Embora, às vezes, totalmente esquecidos, os conflitos emocionais que nos prejudicaram se ocultam e permanecem em lugar profundo, abaixo do nível de consciência.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Somente pela ação positiva posso remover os restos de culpa e vergonha causados pelo álcool. Durante meus infortúnios, quando bebia, meus amigos me diziam: “Por que você está fazendo isso? Você está somente se prejudicando.”

Pouco eu sabia de como eram verdadeiras estas palavras.

Embora tenha prejudicado a outros, o meu comportamento causou graves feridas à minha alma. O Oitavo Passo me ofereceu uma maneira de perdoar a mim mesmo. Aliviam-se muitos dos meus danos escondidos quando faço a relação daqueles a quem prejudiquei. Fazendo reparações, liberto a mim mesmo de pesos, contribuindo assim para minha recuperação.



19  AGOSTO

UM QUADRO DE REFERÊNCIA

Voltemos mais uma vez à nossa relação (inventário). Esquecendo os maus tratos que os outros praticaram, procuramos resolutamente nossos próprios erros. Onde fomos egoístas, desonestos, interesseiros e medrosos?

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

Existe um a liberdade maravilhosa em não precisar de aprovação constante dos colegas de serviço ou das pessoas que eu amo. Gostaria de ter conhecido a respeito deste Passo antes, porque uma vez que desenvolvi um quadro de referência, me senti capaz de fazer a coisa certa a seguir, sabendo que a ação se ajustava à situação e que esta era a coisa apropriada a fazer.



20  AGOSTO

EM DIREÇÃO À LIBERDADE EMOCIONAL

Em vista de que as relações deficientes com outras pessoas quase sempre foram a causa imediata de nossas mágoas, inclusive de nosso alcoolismo, nenhum campo de investigação poderia render resultados mais satisfatórios e valiosos do que este.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

A boa disposição é uma coisa peculiar para mim porque com o tempo, parece vir primeiro com consciência e, depois com uma sensação de desconforto, fazendo-me querer tomar alguma decisão. Quando reflito em praticar o Oitavo Passo, minha disposição de fazer reparações aos outros vem como um desejo de perdão, a outros e a mim mesmo. Senti o perdão para os outros após tornar-me cônscio de minha parte nas dificuldades de relacionamentos. Desejava sentir a paz e a serenidade descritas nas promessas. Praticando os primeiros Sete Passos, fiquei sabendo quem tinha prejudicado e que eu tinha sido meu pior inimigo. A fim de restaurar meus relacionamentos com meus semelhantes, sabia que precisava mudar. Desejava viver em harmonia comigo mesmo e com os outros, para que pudesse também ter uma vida de liberdade emocional. O começo do fim de meu isolamento – de meus companheiros e de Deus – veio quando escrevi minha relação do Oitavo Passo.



21  AGOSTO

NÓS APENAS TENTAMOS

Minha estabilidade se originou em tentar dar, não em exigir que me dessem algo em troca.

O MELHOR DO BILL

Enquanto eu tento, com todo meu coração e minha alma, transmitir para os outros o que foi transmitido para mim, e não exigir nada em troca, a vida é boa para mim.

Antes de entrar no programa de Alcoólicos Anônimos, nunca fui capaz de dar sem exigir alguma coisa de volta. Mal eu sabia que, uma vez que comece a dar livremente de mim, começarei a receber, sem nunca esperar ou exigir qualquer coisa. Hoje, o que recebo é a dádiva da “estabilidade”, como diz Bill: estabilidade em meu programa de A.A. e estabilidade dentro de mim mesmo: mas acima de tudo, estabilidade em meu relacionamento com meu Poder Superior, a quem escolho chamar de “Deus”.



22  AGOSTO

PROCURANDO A ESTABILIDADE EMOCIONAL

Ao desenvolvermos mais ainda, descobrimos que o próprio Deus, sem dúvida, é a melhor fonte de estabilidade emocional. Descobrimos que a dependência de Sua absoluta justiça, de Seu perdão e amor era saudável, e que funcionaria quando tudo o mais fracassasse. Se realmente dependêssemos de Deus, seria difícil para nós bancarmos o deus perante nossos semelhantes, e nem sentiríamos a necessidade de nos apoiarmos totalmente na proteção e no cuidado dos outros.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Durante toda minha vida, dependi das pessoas para minhas necessidades emocionais e de segurança, mas hoje não posso mais viver dessa maneira. Pela graça de Deus admiti minha impotência perante pessoas, lugares e coisas. Tinha sido realmente “um dependente de pessoas”: onde quer que fosse precisava haver alguém que prestasse alguma atenção a mim.

Era o tipo de atitude que somente piorava as coisas, porque quanto mais dependia dos outros e exigia atenção, menos recebia.

Parei de acreditar que qualquer poder humano poderia me libertar desse sentimento vazio. Embora permaneça um frágil ser humano que precisa praticar os Passos de A.A. para colocar este princípio acima da personalidade, é somente um Deus amoroso quem pode me dar a paz interior e a estabilidade emocional.



23  AGOSTO

TRAZENDO A MENSAGEM PARA O LAR

Somos capazes de tratar os nossos familiares, já bastante perturbados, com o mesmo espírito de amor e tolerância com que tratamos nossos companheiros do Grupo de A.A.?

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Os membros de minha família sofrem os efeitos de minha doença. Amá-los e aceitá-los como eles são – como amo e aceito os membros de A.A. - provoca um retorno de amor, tolerância e harmonia para a minha vida. Usar de cortesia normal e respeitar os limites pessoais dos outros, são práticas necessárias em todos os aspectos de minha vida.



24  AGOSTO

UM ENIGMA QUE FUNCIONA

Talvez seja possível encontrar explicações de experiências espirituais iguais às nossas, mas tentei muitas vezes explicar a minha e só obtive bons resultados, ao narrá-la.

Conheço a sensação do que isto me deu e os resultados alcançados, mas compreendi que nunca entenderei completamente suas implicações mais profundas.

NA OPINIÃO DO BILL

Tive uma profunda experiência espiritual durante uma reunião aberta de A.A., que me levou a falar: “Eu sou um alcoólico!”. Não bebi desde aquele dia. Posso falar para vocês as palavras que ouvi antes da minha admissão e como me afetaram, mas como e porque aconteceu eu não sei. Acredito que um Poder Superior a mim me escolheu para que me recuperasse, mas ainda não sei o porquê. Tento não me preocupar ou imaginar o que ainda não sei; ao invés disso, confio que se continuar a praticar os Passos e os princípios de A.A. em minha vida e compartilhar minha história, serei guiado amorosamente para uma profunda e madura espiritualidade, na qual mais ainda me será revelado. Por enquanto, é uma dádiva para mim confiar em Deus, praticar os Passos e ajudar os outros.



25  AGOSTO

A DÁDIVA DE VINCULAR-SE

Libertai-me da escravidão do ego, a fim de servir melhor a Vossa vontade.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

Muitas vezes, no meu estado alcoólico, bebia para estabelecer um vínculo com os outros, mas conseguia somente estabelecer a escravidão da solidão alcoólica.

Através da maneira de vida de A.A. tenho recebido a dádiva de vincular-me com aqueles que chegaram antes de mim, com aqueles que estão chegando agora e com aqueles que ainda virão. Por esta dádiva preciosa de Deus, sou eternamente grato.



26  AGOSTO

DANDO ADIANTE

Embora soubessem que para se manterem sóbrios precisavam ajudar a outros alcoólicos, este motivo tornava-se secundário. Foi superado pela felicidade que sentiam ao dedicar-se ao próximo.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

Para mim, estas palavras referem-se a uma transferência de força pela qual Deus, como eu O concebo, entra em minha vida. Pela prece e meditação, eu abro canais, e logo estabeleço e melhoro meu contato consciente com Deus. Através da ação recebo então a força de que preciso para manter minha sobriedade a cada dia. Mantendo minha condição espiritual, presenteando alguém com o que tão gratuitamente me tem sido dado, eu me concedo um indulto diário.



27  AGOSTO

CENTRANDO NOSSOS PENSAMENTOS

Quando se desencadeou a Segunda Guerra Mundial, nossa dependência em A.A. de um Poder Superior enfrentou o seu primeiro grande teste. Muitos Aas alistaram-se e espelharam-se pelo mundo. Seriam eles capazes de obedecer às ordens, fazer face aos tiroteios e perseverar...?

NA OPINIÃO DO BILL

Centrarei meus pensamentos em um Poder Superior. Renderei tudo a esse Poder dentro de mim. Serei um soldado por esse Poder, sentindo a força do exército espiritual tal como existe hoje em minha vida. Permitirei que uma onda de união espiritual me conecte a esse Poder Superior através de minha gratidão, obediência e disciplina. Que eu permita a esse Poder guiar-me através dos regulamentos do dia. Que os passos dados hoje por mim, fortaleçam minhas palavras e meus feitos, que eu saiba que a mensagem que levo é para ser compartilhada, dada livremente por esse Poder Superior a mim.



28  AGOSTO

ALIVIANDO A CARGA

Mostrar aos outros que sofrem como recebemos ajuda é justamente o que faz a vida nos parecer valer tanto a pena... o passado negro é... a chave para a vida e a felicidade de outros.

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

Desde que estou sóbrio, sarei de muitas dores: de enganar meu sócio, abandonar meu melhor amigo e estragar as esperanças que minha mãe nutria para minha vida. Em cada caso, alguém no programa me falou de um problema similar, e pude compartilhar o que tinha me acontecido. Depois que contei minha história, ambos nos levantamos com os corações aliviados.



29   AGOSTO

EU ESCOLHO O ANONIMATO

Temos a certeza de que a humildade, expressa pelo anonimato, é a maior salvaguarda que Alcoólicos Anônimos sempre poderá ter.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Uma vez que não existem regras em A.A., coloco-me onde quero estar e, portanto, escolho o anonimato. Desejo que meu Deus me use, humildemente, como uma de suas ferramentas neste programa. Sacrifício é a arte de dar de mim mesmo generosamente, permitindo que a humildade substitua meu ego. Com a sobriedade, suprimo aquela ânsia de gritar para o mundo:

“Eu sou em membro de A.A.” e experimento alegria e paz interior. Deixo as pessoas verem as mudanças em mim e espero que elas perguntem o que me aconteceu. Coloco os princípios de espiritualidade à frente de julgamentos precipitados, de fofocas e de críticas. Desejo amor e carinho em meu Grupo, para poder crescer.



30  AGOSTO

O ÚNICO REQUISITO

“Em dada época... cada Grupo de A.A. tinha numerosas regras de ingresso. Todos temiam que alguém ou alguma coisa fizesse o barco virar... A lista total era quilométrica.
Se todas aquelas regras vigorassem realmente em toda a parte, ninguém teria conseguido ingressar em A.A....”

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Sou grato pelo fato de que a Terceira Tradição somente requer de mim o desejo de parar de beber. Quebrei promessas durante anos. Na Irmandade não precisei fazer promessas. Não precisei me concentrar. Precisei apenas assistir a uma reunião, em condição, para saber que estava em casas; Não tive que prometer amor eterno. Aqui, estranhos me abraçaram. “Vai melhorar” eles disseram, e: “Um dia de cada vez, você pode fazer”. Eles não eram mais estranhos, mas amigos carinhosos. Peço a Deus que me ajude a alcançar as pessoas que desejam a sobriedade e que, me mantenha sempre grato.



31  AGOSTO

UM PROGRAMA ÚNICO

Alcoólicos Anônimos jamais terá uma classe profissional. O antigo ditado: “O que vos foi dado de graça, de graça deveis dar.”, tornou-se plenamente compreensível para nós. Descobrimos que no nível de profissionalismo, dinheiro e espiritualidade não se misturam.

OS DOZE PASSOS E AS DOZE TRADIÇÕES

Acredito que Alcoólicos Anônimos permaneça sozinho no tratamento do alcoolismo porque ele é baseado unicamente no princípio de um alcoólico compartilhando com outro alcoólico. Isto é que faz o programa ser único. Quando decidi que desejava ficar sóbrio, chamei uma mulher que sabia ser membro de A.A., e ela transmitiu-me a mensagem de Alcoólicos Anônimos; Não recebeu nenhuma compensação monetária, mas, ao invés disso, foi paga pelo fato dela mesma ter ficado sóbria por mais um dia. Hoje eu não pediria nenhum pagamento que não fosse um outro dia livre do álcool. Dessa forma, sou pago generosamente pelo meu trabalho.