DP - Um milagre em A.A

UM MILAGRE DE A.A.

Meu nome é Luciano, sou portador da terrível, incurável, progressiva e fatal doença chamada alcoolismo, porém, sem ingerir bebidas alcoólicas, só por hoje e sem utilizar quaisquer substâncias que alterem meu humor ou modifiquem meu comportamento.
Devido a forma exagerada de beber e o descontrole total de parar quando queria, o álcool empurrou-me para o abismo da destruição e junto comigo estavam meus quatro filhos e minha mãe, vítimas (in)diretas da bebida alcoólica. A bebida, no meu caso, foi tão devastadora que apesar de ter bebido intensamente e apenas doze anos, cheguei rapidamente ao fundo do poço, onde conheci a sarjeta física, moral e espiritual. Como consequencia, vieram internações em hospital psiquiátrico, afastamento do trabalho, causando dor e sofrimento em todos à minha volta e que apesar de todos esses desastres não desistiram de mim.
Mas, o grande milagre da minha vida aconteceu no dia cinco de março de 1976, quando, acredito, tirei a sorte grande, ou seja, cheguei ao Grupo Coragem da Senador Dantas, no Rio de Janeiro, sendo recebido como um filho que acabara de chegar ao mundo, nesse caso, o mundo da sobriedade, cercado de muito carinho, atenção e preocupação, apadrinhado com verdades, honestidade de propósito e acima de tudo, bons exemplos.
Sou grato a Alcoólicos Anônimos e aos meus companheiros, por me demonstrarem que através da fé, o impossível com Deus é possível. Nesse caso, eu sou um desses exemplos e posso afirmar que sou “um milagre de A.A.”
Sugeriram que eu admitisse minha impotência ao álcool, porém, no meu caso, entendi que tão importante quanto admiti-la seria aceitá-la como um fato consumado, ou seja, aceitar que jamais poderia ingerir qualquer tipo de bebida que contivesse álcool, isto porque, tantas foram às vezes que, sofrendo aquela terrível ressaca e, evidentemente, sendo cobrado para que fizesse algo, admitia prontamente e prometia tomar alguma atitude, isso pela manhã e à noite, ao retornar, estava novamente bêbado.
Foram esses companheiros que me mostraram a diferença entre sobriedade e abstinência: sobriedade é a busca constante do equilibrio e da moderação em tudo que falo, ou pratico; abstinência, a privação de algo ou a ação de não utilizar determinada substância, como no meu caso o álcool.
Fui informado ainda, que para alcançar a sobriedade haveria a necessidade de não beber, isto é, abstinência total e permanente do álcool, para então, começar uma caminhada rumo à sobriedade pautada nos principios de recuperação de A.A. (Os Doze Passos), que são fundamentos espirituais em sua natureza e quando praticados como modo de vida, nos permitem alcançar uma vida integra, util e feliz.
Hoje, com a consciência tranquila do dever cumprido e reconhecendo que nada fiz além da minha obrigação ao aproveitar essa oportunidade de ouro concedida pelo Poder Superior, procuro na mesma proporção, transmitir aos que ainda sofrem do mesmo mal e que não sabem haver uma saída, a mensagem salvadora de Alcoólicos Anônimos. Só assim poderei amortizar um pouco a dádiva impagável que recebi de Deus e desses companheiros, onde, através do amor incondicional, devolveram o filho, o pai, o amigo a quem mais sofreu pela sua maneira desastrosa de beber.
Que o Poder Superior, Deus na minha concepção, nos oriente hoje e sempre e nos conceda mais 24 horas.

Por Luciano M.///RJ