DP - Uma Pessoa Respeitavel

Sou mãe de duas filhas. Na época do meu alcoolismo ativo elas eram muito novas, adolescentes. Amo muito essa criaturas, que eram e são a razão de meu viver. Só que, em minha doença, esse amor quase foi destruído, afinal, eu não tinha amor nem por mim mesma.

Logo no início já começaram as internações em hospitais psiquiátricos. Muitas vezes, meu marido precisava me internar para que minhas filhas pudessem estudar e trabalhar sem a preocupação de saber como estaria sua mãe. Ele trabalhava à noite para não dar espaço ao meu beber, mas eu dava um jeito. Minha vizinha passava bebida para mim pelo vitrô da sala, isso porque as portas ficavam fechadas. Eu escondia bebidas em todos os lugares.

Num dia especialmente triste, bebi antes de minha mãe chegar em casa e, quando ela chegou, peguei meu cachorrão, pus nele a coleira e, ignorando os pedidos de minha mãe para que eu não saisse com ele, fui, passei na casa de uma amiga e peguei um litro vazio para poder comprar mais pinga, Meu cão, que era bravo,  foi me puxando até me derrubar e, com a garrafa, eu me cortei toda. Cheguei ensanguentada em casa, minha mãe passou mal, chorou muito e pediu para que eu deixasse de beber. Em outra ocasião, joguei-me em frente de um carro, tentando o suicídio, mas não morri.

Assim, uma de minhas filhas, já cursando o último ano de faculdade, certa vez me trouxe um endereço de Alcoólicos Anônimos. No dia 20 de agosto de 1984, fui conhecer a Irmandade, pensando que encontraria um garrafão de pinga na sala, e que cada pessoa se serviria quando sentisse compulsão...

Qual não foi a minha surpresa! Encontrei uma sala linda e pessoas se recuperando. Senti-me um farrapo humano, pois cheguei toda arrebentada, com os cabelos compridos, rosto inchado, olho roxo (alcoolizada, eu era muito agressiva com meu marido, mas só apanhava, porque já estava muito fraca.)

Todos me deram uma palavra de carinho. Puxa, que maravilha! Disseram-me para voltar mais vezes: "Estaremos aqui todo dia, pra te ajudar". Deram-me um cartão com os horários de reuniões e, o mais importante, a Oração da Serenidade. Eu fazia a Oração de duas em duas horas, até fazer as 24 horas.

Desde aquele primeiro dia não coloquei mais uma gota de álcool na boca, só por hoje. Não havia companheiras quando cheguei, só homens, cerca de 60 companheiros. Não me importei e ia todos os dias. Na hora do café, conversava com todos e todos me respeitavam, como me respeitam até hoje, tratando-me como se fossem meus irmão de sangue.

Entrei para os nossos três legados e continuo com eles até hoje, não abro mão. Sou agora avó de dois netos e uma neta, amo-os muito e sei que me amam também. Minhas filhas, meu genro e marido são muito felizes com a minha sobriedade. Tornei-me uma mulher respeitada em todos os lugares aonde vou. Voltei a estudar e hoje tenho a profissão de enfermeira. Já levei a mensagem várias vezes ao hospital onde ficava internada, e os profissionais de lá me olham e dizem: "Que maravilha!"

Consegui dar uma alegria à minha mãe: quando ela faleceu, estava feliz porque eu não bebia há 4 anos, sempre em A.A. E eu estou feliz por ter descoberto a tempo que sou portadora dessa enfermidade, que poderia ser detida se eu quisesse. Puxa, eu não perdi a oportunidade, e só por hoje a minha doença está detida.

Vivência nº 72 - Julho/Agosto 2001