DP - Vontade de servir

A persistência é um dom aplicável em qualquer propósito.

Fui um individuo que passou três ou quatro anos sem me preocupar com o Terceiro Legado o serviço. Não sei se por falta de interesse, pelas dúvidas, ou por falta do conhecido despertar espiritual. De uma coisa eu tenho certeza: não tive a oportunidade de ser apadrinhado para tal, portanto, me acomodei. Então, no final de 1988, surgiu a oportunidade para servir ao novo Comitê de Serviço do grupo no qual ingressei. Coloquei o meu nome para secretário, pois tenho conhecimento em serviços burocráticos e facilidade para redigir. Eu tinha vontade de ajudar ao grupo. Foi um verdadeiro caos! Só fiquei no encargo uns quatro meses. Tentei organizar as pastas de correspondências, procurei continuar o movimento financeiro, enfim, tudo relacionado ao encargo. Logo vieram as criticas. Então me desinteressei e me afastei. Decidi que abraçaria outro grupo, para dar continuidade ao serviço. Este grupo já estava com o Comitê de Serviço formado. Entrei em pânico. Cheguei a ponto de ir à cabeceira de mesa informar aos membros que limparia os cinzeiros, serviria os cafés e chás, mas trabalharia por aquele grupo.

Alguns companheiros veteranos começaram a se preocupar. Mas, como o tempo é que dita as regras, fui ficando por lá. Fiz amizade, recolhia os cinzeiros e servia cafés e chás.

Em meados de 1999, foi criado o CTO da Compartimento da Borborema. Pensei: "Vou servir ao CTO". Veio a decepção, pois o mesmo já estava formado. Assim mesmo, perguntei ao coordenador se não existia algo que eu pudesse fazer pelo CTO. O mesmo respondeu: "Caso você queira, tenha tempo disponível e amor pelo que vai fazer, você já parte dele." Suspirei e me enchi de alegria. Segui o calendário à risca e só faltei a uma reunião por estar numa das várias palestras que assisti com outros companheiros.

Aprendi muito com o CTO, em particular com um membro ativo no programa. Ele me ensinou sem querer ser professor. E hoje continuo sendo seu aluno sem querer ter sido. Nesse serviço pude trocar experiências, aprender e repassá-las aos membros de outros grupos. Daí em diante o serviço tem feito parte da minha vida. Portanto, o ano de 1999 foi, sem sombra de duvida, o limiar do despertar espiritual para o Terceiro Legado o serviço. Espero , confiante em Deus, continuar com coragem para enfrentar as possíveis adversidades que surgirem. Sabedoria para saber que o bom é inimigo do melhor e serenidade para conduzir os encargos que a mim confiaram. Que Deus me oriente e que haja compreensão dos membros.

Creio que, para todo ser humano, tudo o que aconteceu, acontece ou venha a acontecer tem propósito e dia certo. Eu estava no lugar certo, acompanhado das pessoas certas para, na hora, dia e ano exatos pudessem acontecer tantas maravilhas para mim. Obrigado meu Deus, por me conceder esse despertar espiritual, para servir no todo.

VIVÊNCIA N.° 75 JAN / FEV / 2002